14 de maio de 2013

A culpa...



Sim, a culpa da crise é dos funcionários públicos

Sim, a culpa da crise é do funcionário público Vítor Constâncio que não viu, ou não quis ver o buraco do BPN;

Sim, a culpa da crise é do funcionário público Teixeira dos Santos que não viu, ou não quis ver o buraco da Madeira;

Sim, a culpa da crise é do funcionário público Alberto João Jardim que criou "às escondidas para os do continente não cortarem nas tranches" um buraco de seis mil milhões de euros;

Sim, a culpa da crise é dos funcionários públicos da Assembleia da
República que auferiram só em ajudas de custo no ano de 2010 a módica quantia de três milhões de euros, fora os salários e demais benefícios;

Sim, a culpa da crise é dos funcionários públicos que gerem, continuamente, em prejuízo as empresas públicas como a Metro do Porto, CP, ANACOM, REFER,REN, CARRIS, EDP, PT, Estradas de Portugal, Águas de Portugal,... a lista é interminável, mas não abdicam das viaturas topo de gama, telemóveis, talões
de combustível... enfim a lista é interminável;

Sim, a culpa da crise é dos funcionários públicos das Juntas de Freguesia e Câmaras Municipais que ganham por cada reunião assistida;

Sim, a culpa da crise é dos funcionários públicos da Assembleia da
República, já reformados, com as suas subvenções vitalícias por meros 8 anos de "serviço". Reformados alguns com apenas 40 anos de idade! Quantos são desde 1974? Enfim, a lista é interminável.

Sim, a culpa da crise é dos funcionários públicos que presidem fundações como a Guimarães 2012 com salários imorais, na ordem dos milhares de euros.
Quantas são? Enfim, a lista é interminável;

Sim, a culpa da crise é dos funcionários públicos que adjudicam pareceres jurídicos a empresas de advogados, quando podiam solicitar o mesmo serviço às Universidades, pagando dez vezes menos, ajudando dez vezes mais as finanças das mesmas;

Sim, a culpa da crise é dos funcionários públicos que adjudicaram obras permitindo as famosas "derrapagens financeiras". E quem paga? É o Estado!

Etc., etc., etc..

Sim, a culpa da crise é desses funcionários públicos, e não dos funcionários públicos que trabalham arduamente para alimentar estes pulhas



Carlos Couto, funcionário público,

O pagador de impostos.

10 comentários:

  1. Concordo, com quase tudo, Pedro!

    Mas, acho extraordinário que a dívida da RA da Madeira que vale, note bem, 0,7% do PIB nacional sirva para justificar o fracasso das contas nacionais. Sem querer escamotear a verdade, o que me irrita, Pedro, é tentar «esconder o elefante atrás de uma formiga», entende?

    Quanto ao mais, são muitos os funcionários públicos que trabalham e, também, são muitos os que nada fazem, Pedro!

    Abraço, amigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cem por cento de acordo, Ricardo.
      A Madeira, em muitas coisas, é como Macau - costas grandes.
      0,7% do PIB?
      Uma imensidão!
      Ninguém está a desculpar as diatribes de Alberto João Jardim.
      Mas também convém não exagerá-las.

      Ide, aspas, para os funcionários públicos.
      Porque há alguns preguiçosos, leva tudo pela mesma medida.
      Na actividade privada não há preguiçosos e incompetentes?
      Que ideia!!
      Esse fenómeno também é mundial, Ricardo.
      Há que lhe dar o devido valor.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  2. Por essas e por outras é que o PPC fez questão de realçar, na AR, que não era funcionário público!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi por causa disso que ficou mais competente :)))
      E essa ideia de os governantes nao serem funcionários públicos é gira.

      Eliminar
  3. A verdadeira crise, ao pormenor.
    Com culpas e culpados bem assinalados.

    Há quem trabalhe e quem ... nem por isso.
    Foi impressão minha ou, num dia da semana passada, entrei numa instituição bancária PRIVADA e vi dois supostos trabalhadores em amena cavaqueira - não, não estavam a falar de trabalho, era perceptível - com clientes à espera.

    Onde estaria a malta do 'front office'? Talvez no café ao lado.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Os funcionários públicos são o cepo das marradas em toda a parte, António.
      Como se nas instituições privadas nao houvesse gente preguiçosa e estúpida
      Aquele abraço!

      Eliminar
  4. Face a este texto, a culpa é sem dúvida DE funcionários públicos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poppy,
      Pelos vistos, os políticos não são funcionários públicos.
      São o quê, então???

      Eliminar
  5. Os funcionários públicos têm as costas largas!

    ResponderEliminar