19 de março de 2013

«Como desejo uma Igreja pobre e para os pobres»: Papa revela detalhes do conclave e sublinha importância da Beleza


O papa explicitou este sábado que o seu nome é uma homenagem a S. Francisco de Assis (c. 1182-1226), que vendeu os bens aos pobres antes de fundar uma ordem que quis basear na pobreza.
«Como gostaria ter uma Igreja pobre e para os pobres», disse Francisco no Vaticano, durante um encontro com cerca de seis mil jornalistas acreditados na Santa Sé.
Em tom amável e descontraído, o papa relatou os momentos finais do conclave.
«Durante a minha eleição tinha junto a mim o arcebispo emérito de S. Paulo, o cardeal Claudio Hummes, grande amigo, que quando os acontecimentos começavam a ficar "perigosos", me confortava», explicou.
«Quando os votos chegaram aos dois terços e os cardeais aplaudiram, ele abraçou-me, beijou-me e disse-me: "Não te esqueças dos pobres"», acrescentou.
O papa argentino, o primeiro da América, explicou que fixou a palavra "pobres" e logo pensou em Francisco de Assis, santo da pobreza, da paz e da defesa de tudo o que é criado por Deus.
Francisco causou o riso dos jornalistas ao contar que alguns cardeais lhe sugeriram que se chamasse Adriano, em honra de Adriano VI, conhecido como o reformador, ou Clemente XV, para se «vingar» de Clemente XIV, que suprimiu os Jesuítas, ordem a que o novo papa pertence.
Para o novo papa Cristo é «a referência fundamental» de uma Igreja que «não tem natureza política mas essencialmente espiritual»: «Sem ele, Pedro e a Igreja não existiriam nem teriam razão de ser».
É importante, caros amigos, ter em devida conta este horizonte interpretativo, esta hermenêutica, para ressaltar o coração dos acontecimentos destes dias», sublinhou.
A Igreja, prosseguiu, «existe para comunicar a Verdade, a Bondade e a Beleza "em pessoa". Deve manifestar-se claramente que somos todos chamados não a comunicar nós mesmos mas este tríade existencial».
«Muitos de vós não pertencem à Igreja Católica e outros não são crentes; mas respeitando a consciência de cada de cada um dou-vos a minha bênção, sabendo que cada um de vós é filho de Deus», disse ao terminar o encontro.


12 comentários:

  1. Que Deus o abençoe e o acompanhe nesta árdua tarefa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vai precisar da ajuda Divina, Ricardo.
      Porque vai ter que enfrentar obstáculos terríveis.

      Eliminar
  2. Quando o oiço e vejo lembro-me de PAPA JOÃO XXIII que em tão pouco tempo revirou a mesa, bateu com a mão e endireitou tanta coisa...

    Oxalá que a simplicidade deste homem seja interiorizada pela maioria da "cambada de governantes do planeta"

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Lembra sim senhor, Fatyly
      Espero que siga o exemplo de João XXIII
      E que seja ele próprio um exemplo

      Eliminar
  3. Pelos vistos parece que tem carisma, fazendo-me lembrar o Papa João Paulo II pelo seu sorriso e bom humor.

    É verdade que lhe esperam grandes desafios. Arrumar a casa não será fácil, se é que conseguirá fazê-lo durante o seu pontificado. Quanto ao resto deverá simplesmente limitar-se à orientação da Tradição guiado pelo Espírito Santo.

    Ah, e como era de esperar, no seu brasão está o emblema dos jesuítas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Simpatia nao falta a Francisco, Firehead.
      E boa vontade acredito que também não
      Vai dando sinais disso.
      Vamos ver se consegue os seus intentos.
      Que Deus o ajude nessa imensa tarefa.

      Eliminar
  4. Não há dúvida que este Papa está a empolgar católicos e não católicos. Esperemos que seja um pouco mais do que as primeiras impressões...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco está a conseguir criar uma entropia rara com crentes e não crentes.
      Deus queira que seja para continuar.

      Eliminar
  5. Foi o que senti ao olhar para ele a primeira vez quando se apresentou.. que ele é simpático, carismático, bem humorado, bem disposto e com um algo mais que faltou uma palavra para descrever.
    Que Deus o ajude!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. A bonomia no olhar, a simpatia, a empatia, estão lá, Pats.
      Esperemos que se confirmem na acção.

      Eliminar
  6. É engraçado que essa benção mereceu um comentário mais desagradável de uma jornalista portuguesa... Ele fez essa benção desse modo por respeito aos diferentes credos de quem o ouvia, e a jornalista deixou um comentário do género "bem pensei que eram todos filhos de Deus"... Algo assim.

    O novo papa tem um grande caminho pela frente. :)

    ResponderEliminar
  7. E como eu desejava que essas jornalistas ????? estúpidas calassem a boca, Poppy!!!

    ResponderEliminar