20 de março de 2013

Aumentos salariais do funcionalismo público em Macau


Os dirigentes de Macau, muito mais do que transparentes na  gestão da coisa pública, como tanto se apregoa, são previsíveis, muito previsíveis.
Como tal, não surpreendeu minimamente o anúncio formal de aumentos salariais para o funcionalismo público a partir de 1 de Maio.
E sem retroactivos.
Rigorosamente um ano depois do último aumento salarial, rigorosamente nas mesmas condições.
Apenas em diferente percentagem.
E, aí sim, confesso a minha perplexidade.
Em todo o mundo civilizado, os aumentos salarias têm por premissas fundamentais o crescimento económico e o valor da inflacção no ano anterior.
Em Macau, os números oficiais, sempre conservadores, apontam para valores na ordem dos 9.9% e 6.7%, respectivamente, no ano de 2012.
Assim sendo, e sublinho que se trata de números oficiais, como é que se chegou a um aumento salarial de 6.06% para 2013?
Para arredondar o índice multiplicador para 70?
Deve ter sido por isso.
Porque esta decisão, em boa verdade, não tem nada de científico.

14 comentários:

  1. Respostas

    1. Enchem a boca com o governo cientifico e as decisões tomadas com base cientifica.
      Depois dos discursos, tomam uma decisão destas.
      Com base em quê?

      Eliminar
  2. Ó Pedro, nós aqui se tivéssemos um aumento nem que fosse de 0,001 % Já daríamos pulos de contentes! :(((

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Lou Salome,
      O governo de Macau está cheio de dinheiro.
      A inflação é brutal.
      E toma-se esta decisão porquê?
      Como é que aparece esse valor?

      Eliminar
  3. Veja lá, não se queixe de barriga cheia!! Lembre-se dos seus compatriotas funcionários públicos aqui deste rectângulo à beira-mar plantado... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem é uma queixa, Firehead
      É só vontade de perceber como é que se tomam decisões, com que fundamentos.
      Porque, francamente, sabendo quem as influencia, não as entendo.

      Eliminar
  4. Mas pelo menos por aí ainda aumentam, enquanto que por cá, cortam...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto não é uma queixa, Carlos.
      Embora pudessem, e se calhar devessem, aumentar bem mais.
      O que eu queria era perceber (percebo bem mas gosto de me fazer passar por parvo) como é que se chega a um valor destes.

      Eliminar
  5. Esta só se se for para fazer inveja aos funcionários públicos portugueses (e não só), que nos últimos anos viram os seus salários diminuir, em alguns casos a cerca de 25% do valor que ganhavam. Para além da subida de impostos! :P

    Mas enfim, 6% é melhor que nada, não?!? ;)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. É melhor que nada, Teté.
      Mas não é suficiente.
      E porquê este valor, com que fundamentos?
      Não se pode tomar uma decisão destas porque sim, porque apetece a alguém.

      Eliminar
  6. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    Como muito bem disse emboara seja parco o aumento de vencimentos ainda é melhor que nada.
    A pavarlhona da Olga que comentou no Jornal Hoje Macau desta forma
    "Olga
    11 de Março de 2013 - 17:17
    Francamente os Macaenses sao os mais privilegiados mas, mesmo assim, ainda andam insatisfeitos pelo facto de terem sofrido alguns cortes nos subsidios. Nao fazem a minima ideia do que esta a acontecer em Portugal onde todos sofrem na pele com cortes de ordenados e pensoes e ainda por cima estao a pagar os altos impostos introduzidos por este Governo. Afinal o que os Macaenses querem? Vivem na maior e nunca tiveram problemas pois que houve sempre alguem que por eles se preocuparam. Nunca passaram mal na vida, nem conheceram a fome e muito menos o desemprego pois a Funcao Publica era o seu refugio seguro. Agora ainda querem que o Governo de Macau se intervenha junto do Governo de Portugal para os livrarem dos cortes. Tudo isto nao passou duma palhacada senao dum embuste eleitoral que so podia nascer da cabeca dum espertalhao."

    Desconhece a 100% a realidade dos aposentados de Macau, que apelida de macaenses, e os outros, nós não temos aumentos de pensões, antes pelo contrário, e vivemos em Macau, igualmente os aposentados nunca sabem quanto recebem devido ao càmbio do Euro, será que essa Olga ocupa algum taxo e cavou de Portugal para não pedir facturas e fugir ao fisco.

    Nós parace que nunca fomos funcionário do Governo de Macau, mas enfim!...
    Votos de óptimo fim de semana.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho acompnhada a polémica, Amigo Cambeta.
      Não faço a mais pequena ideia acerca de quem seja esta senhoa.
      Mas foi muito infeliz na maneira como abordou o tema.
      Como já lhe disse anteriormente, não acredito que o governo português esteja em condições políticas para abrir uma excepção para os aposentados de Macau.
      Mas, agora, há que esperar tranquilamente pela decisão oficial.
      Posições extremadas, como a que esta senhora toma, não auxiliam em nada.
      Aquele abraço e votos de óptimo fds também!

      Eliminar
  7. Bem... Não percebo muito de economia, mas não acho que se queixe de barriga cheia, do que eu percebo os aumentos não acompanham o crescimento e isso quanto a mim é também perder.
    Não podemos achar que estamos muito bem só porque há paises onde as pessoas vivem com menos do que nós.

    Espero que em breve também venhamos a ter queixas semelhantes por estes lados, é sinal que isto deu a volta :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O diploma legal vai ser discutido, e aprovado, hoje na Assembleia Legislativa.
      Eu só quero que me respondam a uma pergunta, Poppy - porquê este número?
      Quando se passa o tempo a falar em governo científico, tem que haver mais que palavras, não é?

      Eliminar