O Ano Novo Lunar é normalmente passado em família.
Sendo a minha mulher de ascendência chinesa (mãe chinesa e pai macaense) cumpre-se a tradição do almoço em família no primeiro dia do Ano Novo Lunar.
E a refeição tradicional, basicamente vegetariana, também.
No segundo dia, também cumprindo a tradição, jantar em família.
Ao terceiro dia é que não há reuniões familiares.
Para, mais uma vez cumprindo a tradição, evitar zangas.
Resumindo, se é verdade que "When in Rome...." também será verdade que "When in Macau/China......"
E tendo sido esse o lema desde 1997.
Ao longo de todos estes anos, a época do Ano Novo Lunar traz à memória um primeiro Ano Novo Lunar (1996) insuportavelmente frio (o frio húmido foi bem mais difícil de suportar do que o calor) e um inesquecível episódio em 1997.
Vivíamos eu a minha mulher na Taipa,  "em pecado", fomos pela primeira vez almoçar a casa daqueles que seriam os meus sogros com a restante família.
Já bastante atrasados, sem telemóveis, íamos em animada cavaqueira junto ao posto de transformação da CEM à entrada do Túnel da Guia, quando o trânsito foi interrompido por um polícia de trânsito.
A conversa estava tão animada que confesso que não me apercebi da paragem dos carros à minha frente.
Enfiei-me na traseira do carro em frente, sem travar, e sem cinto de segurança (nem eu nem a minha mulher)
A melhor maneira de me aperceber do impacto da batida foi ouvir o grito da minha mulher justamente no momento antes de ela voar contra o vidro da frente.
Nada de muito grave, felizmente.
Um olho, o nariz e um lábio (ela, que eu fiquei agarradinho ao volante!) inchados.
E a senhora do carro da frente a chamar-me tudo menos doutor!!
Sendo tão importante para a tradição chinesa começar bem o ano, nada pior que uma porrada no carro logo primeiro dia.
Confesso que pouco me importei com os berros da senhora, preocupado que estava com o bem - estar da minha mulher.
Saímos dali, chegámos ao almoço muitíssimo atrasados e com a minha mulher com o olho, o nariz e um lábio inchados.
Não é o melhor cartão de visita para apresentar aos futuros sogros, convenhamos.
O que fazer numa situação destas?
Simples.
À pergunta, natural, "o que é que aconteceu?", responder com toda a calma - "dei-lhe porrada!"

Kung Hei Fat Choi!!