27 de fevereiro de 2013

Joaquim Vieira: est rebus in modus




Joaquim Vieira escreveu uma biografia de Mário Soares, que acaba de sair.
No livro, de mais de oitocentas páginas, fala-se de Macau, sim, mas apenas no caso do "fax", que fora trazido a lume pelo jornal "O Independente", através da jornalista, entretanto falecida, Helena Sanches Osório, dando a Soares oportunidade de se demarcar do que para ele seriam apenas as actuações de «quatro gajos do PS»...
Quanto ao caso TDM e àquilo que o próprio Joaquim Vieira investigara, enquanto jornalista do "Expresso", e denunciara nas páginas daquele semanário, no que se refere às ligações do próprio Soares e de gente consigo relacionada na rede Emaudio/Emaudio International/Robert Maxwell, nem uma palavra. Nem quanto a isso nem quanto ao "dossier" Alberto Costa. Fala-se de uma detenção de dois administradores por "irregularidades" de gestão e fica-se por aí. 
O biógrafo Joaquim Vieira terá as suas razões para silenciar aquilo que o jornalista Joaquim Vieira investigou. 
No prefácio do livro, chamado "Mário Soares e Eu", percebe-se, porém. 
Quis o destino que Vieira, mandatado pela editora para escrever a obra, se encontrasse, casualmente, com Soares, este para um tardio passeio matinal. Felicitando-o pelos artigos que Vieira, entretanto, escrevera sobre as "escutas a Belém", (o "caso Fernando Lima"), Soares acrescentou que o fazia, independentemente do que fora o relacionamento deles no passado, porque isso estava «sanado». Ante isso, consigna Vieira no livro:  «Que outro político teria tal atitude?».
Precisamente. Eis! Est rebus in modus.
Conheci o Joaquim Vieira que foi jornalista do Expresso. Não sei quem é o autor deste livro. Pura e simplesmente não sei.

in A Revolta das Palavras

12 comentários:

  1. Mais uma razão para não gastar dinheiro na compra desse livro, Pedro!

    Esta promiscuidade e submissão causam-me asco!

    Aquele abraço e...Hala Cristiano! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nao o vou comprar de certeza, Ricardo.
      Ler, se me vier parar as mãos, talvez.

      O CR7 e o melhor, Ricardo.
      Ainda há duvidas?
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  2. Jamais compraria o livro e com todo o devido respeito ao autor...não quero saber mais nada desse de tal Mário Soares.

    ResponderEliminar
  3. Eu não posso com este tipo. Quem ultraja a bandeira nacional e deseja a morte aos seus compatriotas não merece nem pode ser português.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Se algum dia passar os olhos pelo livro uma coisa vai poder ficar a conhecer, Firehead - os esquemas deste gajo para trair os camaradas.
      E, também, a linguagem que ele utilizava.

      Eliminar
  4. Comprar o quê, Pedro?
    Este nem dado. Sujaria a estante.
    :)

    ResponderEliminar
  5. Tenho grande apreço e consideração por Joaqum Vieira. Não acredito que ele tenha feito fretes a Soares e estou curioso para ler o livro. Tenho de esperar pelas segundas feiras da Bertrand...

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Só lendo, Carlos, só lendo.
      Mas parece que Macau, e as porcarias por aqui acontecidas, são tratadas muito pela rama.

      Eliminar