28 de agosto de 2012

O problema não é como chegaram lá. É como tirá-los










O MAIS COMPLICADO DE TODOS



12 comentários:

  1. Com ou sem licenciatura o homem continua la. : )

    ResponderEliminar
  2. Esse é mesmo muuuuito complicado de tirar de lá, Catarina :))

    ResponderEliminar
  3. Caro Pedro
    Ia percorrendo as fotos dos desgraçados dos animais e já ia imaginando o meu comentário. Mas o meu caro antecipou-se com a ultima foto.
    Abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  4. Aquele ali é que mesmo lixado de tirar dali, Rodrigo.
    E como é que ele foi lá parar??!! :))
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  5. António,
    Não consegui publicar o seu comentário :(
    Esta agora.
    Ia para responder que tinha pedido, no íntimo, desculpa aos animais.
    Mas o seu comentário não aparece.
    Eles andam aí??? :)))

    ResponderEliminar
  6. É normal que o Relvas continue onde está. Se o Sócrates pôde, ele também pode. :)

    ResponderEliminar
  7. Cada uma melhor que a outra. De facto tirar o último de lá é um dos maiores desafios de sempre. eheheheheh=)
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  8. Quando um PM defende tão acaloradamente um vigarista e um trafulha, está tudo dito quanto à personalidade de PPC.
    Tirá-los de lá não será nada fácil, não. O tuga gosta de ser lixado com F.

    ResponderEliminar
  9. FireHead,
    O Sócrates anda a parler français.
    Que tal se este fosse fazer algo de semelhante???


    Luciano,
    Mais agarrado que uma lapa à rocha!!
    Aquele abraço


    Carlos,
    Hoje o tema vai ser RTP.
    Hoje não para brincar, é mais (muito mais) sério.

    Gábi,
    Complicado, não é??
    Tira o elefante do buraco não será grande desafio.
    Já outros "alifantes"...... :))

    ResponderEliminar
  10. Estas imagens afligem-me tanto Pedro! Sou um bocado claustrofóbica em relação a estas pequeninas coisas, por exemplo se vir alguém com um anel apertado já me faz impressão...

    Quanto ao último bem, o último só sai lá de reboque!

    ResponderEliminar
  11. Eu também sou um bocado claustrofóbico, Catarina.
    Com aquele último, o sentimento é diferente de claustrofobia.
    É mesmo irritação pura!!

    ResponderEliminar