22 de agosto de 2012

Não é só em Portugal que a oposição é fraca


Quem acompanha a política em Portugal surpreende-se por ver as sondagens de opinião deixarem os partidos que integram a coligação governativa quase intocados nas intenções de voto.
Isto apesar das medidas terríveis que estão a ser implementadas, das trapalhadas que se sucedem, da pouca  capacidade que muitos membros do governo revelam no desempenho das respectivas funções.
Explicação?
Simples - virtualmente, não há oposição.
Mas este não é um fenómeno exclusivamente português.
A prova dessa realidade vem, uma vez mais, dos Estados Unidos.
Depois da inenarrável Sarah Palin, e dos seus companheiros do movimento Tea Party, os americanos descobriram agora um Mitt Romney que parece apostado em seguir as pisadas de George W. Bush no que concerne às argoladas em público.
Romney que, ainda para mais, se apresenta em muito má companhia e com Macau involuntariamente metida ao barulho.
Os falcões que dominavam George W. Bush não são os mesmos que rodeiam Romney.
Mas, não sendo os mesmos, são muito semelhantes.
Como se toda esta gente tenebrosa não bastasse, os Republicanos ainda conseguem encontrar uns tresloucados que conseguem dar mais uns trunfos aos Democratas e a um tranquilo Obama.
O último dos quais, o ultra-conservador do Missouri, Todd Akin.
Já nem vale a pena repetir as declarações públicas do senhor porque são por demais conhecidas e nojentas (podem relembrar aqui).
E, quando as presidenciais americanas se aproximam, um Obama que muito prometeu e muito pouco realizou, mas que é um comunicador extraordinário, um homem que impressiona pelo seu carácter e pela sua simplicidade, deve ter a reeleição garantida.
As sondagens dão uma vantagem muita curta ao actual presidente - 49% de intenções de voto para Obama; 44% para Romney.
Mas, apesar da imprevisibilidade que caracteriza o volátil eleitorado americano (o mesmo que conseguiu entregar dois mandatos a George W. Bush, relembremos) alguém acredita  seriamente que Obama falhe a reeleição?
Nos Estados Unidos, como em Portugal, não tanto por mérito próprio, mais por demérito alheio.

12 comentários:

  1. Pedro,

    querido amigo, estou desiludido, inclusive, com Obama, como se diz cá na terra foi «muita parra, pouca uva».

    Quanto ao eleitorado americano, lá como cá, são um bando de saloios.

    Desculpe-me a acidez, mas voltei agora de férias e estou...azedo!!! :DDDD

    Aquele forte e sentido abraço!

    ResponderEliminar
  2. Ricardo,
    Não é acidez, é a mais pura verdade.
    Obama prometeu imenso.
    Em termos estritamente políticos, e económicos, cumpriu em quê?
    Retirada do Iraque, fecho de Guantanamo, captura de Ossama.
    Todas inevitáveis, cedo ou tarde.

    Obama é um brilhante comunicador, é um homem honesto, sério, de uma simplicidade extraordinária.
    Nos dias que correm, se calhar já é muito.
    Especialmente nos EUA e com aquela pandilha que tomou conta dos Republicanos.

    Aquele abraço e seja bem regressado!!

    ResponderEliminar
  3. Quantos mandatos tem Obama no currículo? Um. Falta outro, seguido, para que se cumpra a alternância entre republicanos e democratas.
    Olhemos para trás e chegaremos a essa conclusão.
    Não por mérito deste ou demérito de outro mas porque o sistema - sim, lá também há um sistema - assim determina.

    Aqui para nós que ninguém nos ouve, vale mais um Obama que 10 Romney.
    Sendo que aquele agradece a este as os erros de percurso que começam a ser demasiados.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Antonio,
    O que nos faltava agora era um Romney e seus acompanhantes.
    Que ramalhete!!!
    Antes espetar agulhas nos olhos.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  5. A humildade e honestidade que acho que existe nele, são valores morais que adoeceram no nosso país.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  6. A oposição republicana actual é o Tea party, com todos aqueles exemplos de caricaturas de seres humanos que conhecemos.

    ResponderEliminar
  7. Adélia,
    E essas qualidades, inegáveis em Obama, marcam a diferença.
    São o suficiente?
    Perante a concorrência, sem dúvida!
    Beijinhos

    Carlos
    Gente sinistra, inculta, perigosa.
    Muito cuidado com gente assim!

    ResponderEliminar
  8. Obama prometeu e pouco realizou... Repare-se o que ele herdou de Bush... as dificuldades que se depararam pela frente. Para bem de todos, e principalmente dos americanos, que seja Mr. Obama a ganhar as eleições.

    ResponderEliminar
  9. Obama só não ganhará se houver uma grande deterioração da economia americana.
    Essa malta do Partido Republicano não lembra a ninguém. São a América no seu pior

    ResponderEliminar
  10. Depois de Bush, o Tea Party era demais para um Mundo já tão avariado, Catarina.
    Mesmo com promessas não cumpridas, obviamente Obama.


    Hugo,
    A América dos negócios sujos, obscuros, a América profundamente racista e burra.

    ResponderEliminar
  11. De que serve ser um bom comunicador, ter um ar humilde se no fundo não cumpriu as metas? Eu gostava muito do Sr Obama até ele ter tido aquela tirada arrogante "nós não somos Portugal ou a Grécia" acho que isso revelou muito acerca da sua real humildade.
    Mas pronto, à beira das declarações do outro Sr o Obama é um menino.
    Enfim politiquices que pouco entendo.

    ResponderEliminar
  12. Mas a alternativa é aterradora, Catarina.
    Deus nos livre daquela gente sinistra!!

    ResponderEliminar