11 de junho de 2012

O Wall Street Journal e o deputado Leonel Alves



Para que fique bem claro, não conheço pessoalmente o deputado Leonel Alves.
Como tal, não lhe devo favores, nem ele me deve favores a mim.
No entanto, enquanto gente de Macau, que ambos somos, acho que não me devo calar perante a notícia do Wall Street Journal em que é visado o deputado Leonel Alves.
Goste-se, ou não, da pessoa, que não é isso que está agora em causa, julgo poder afirmar com elevado grau de certeza que é comummente aceite que o deputado Leonel Alves é alguém muito inteligente e astuto.
Como tal, interrogo-me - faz algum sentido que, alguém dotado de tais qualidades, vá contactar, como suposto intermediário de um quadro muito bem colocado dentro do aparelho político chinês, um funcionário (nem vai falar com deus, vai falar com os anjos!!) de uma empresa privada, solicitando um suborno, por mail??!!
Sou só eu que tenho essa opinião, ou está aqui um bom exemplo de uma estória muito mal contada?!

22 comentários:

  1. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    Estou totalmente de acordo com a sua opinião, embora não morra de amores por tal pessoa, que tal como classificou, e muito bem, é inteligente e astuto.
    Abraço e boa semana de trabalho

    ResponderEliminar
  2. Que caralho de argumentação.

    ResponderEliminar
  3. Amigo Cambeta,
    O gostar da pessoa, ou não, é irrelevante agora.
    O que é importante é perceber que raio de treta é esta e o quê (quem) se pretende atingir.
    Aquele abraço e votos de boa semana!!


    Anónimo,
    Está a referir-se à argumentação do WSJ, não é?

    ResponderEliminar
  4. Pois!! Tanta coisa que já aconteceu neste pedaço de terra....para mim já não ha nada que seja impossível...

    ResponderEliminar
  5. Anónimo,
    Sinceramente acha que uma figura com grande influência em Pequim e Macau precisa de intermediários?
    Se precisasse de intermediários, vamos seguir essa hipótese absurda, iam combinar este tipo de vigarices por mail???

    Ainda não percebi o que é que se pretende exactamente com estas notícias.
    Para além da óbvia vingança de Steve Jacobs e da dor corno dos americanos face ao sucesso de Macau.

    Mas esta novela não tem pés nem cabeça, é uma coisa perfeitamente disparatada.

    ResponderEliminar
  6. Não pá, estou a referir-me à tua.

    ResponderEliminar
  7. Coitados ...a necessidade de mais patacas a quanto obrigas...
    Então Pedro vá lá...dá aí uma ajuda ao rapaz...
    Se fez crime que pague caro por ele para exemplo futuro...

    ResponderEliminar
  8. Anónimo,
    E eu não tinha percebido???


    Luís Coelho,
    Isto está tudo muito mal contado.
    Quem é que se pretende atingir com estas notícias?
    O deputado Leonel Alves já foi atingido.
    Mas o WSJ não se ia preocupar com o deputado Leonel Alves.
    Isto é para atingir mais alguém.
    E mais acima.
    E, obviamente, pelo caminho denegrir a imagem de Macau.
    Para perceber no futuro.

    ResponderEliminar
  9. Não conhecendo a realidade de Macau, também não conheço, pessoalmente, o ...Pai Natal e como tal acredito que tudo é possível nesta vida, Pedro!

    Aquele forte e sentido abraço e votos de boa semana para si e família!

    ResponderEliminar
  10. Tudo é possível, Ricardo.
    Mas, mesmo no reino da fantasia, há que ter o sentido da verosimilhança alerta.
    Esta rábula terá outra motivações que a cortina de fumo criada não permite perceber.
    Mas podia ser um bocadinho mais verosímil.
    Troca de mails??!!
    Come on.....
    Aquele abraço e votos de uma excelente semana para si e família!!

    ResponderEliminar
  11. Mãosinha da CIA...não será!?
    Agora já não há "manas longas do Au" ... como testa de ferro! Tudo muito mal contado mas a finalidade é bem precisa e concreta deitar abaixo o Governo Central e os "corruptos" ou capangas de Macau! Os puros esses são os "américas" , esses anjinhos que andam aqui a tentar compreender a legislação de Oumun faz 12 anos e ainda não chegaram lá!
    Boa Pedro vai-lhes dando nas canelas!
    Sou um leitor assíduo das tuas crónicas! Nota 10 para esta!

    ResponderEliminar
  12. Isto tresanda a politiquice americana, Luís.
    E vontade de deixar Macau mal na fotografia.
    Dor de corno é uma coisa muito feia.
    Esses senhores que se andam aqui a encher (90% das receitas da Sands vêm do Oriente) e ainda armam confusão?
    Aquele abraço, amigão!!!

    ResponderEliminar
  13. A mim sinceramente não me surpreende, amigo. E não me parece que os americanos precisem de ter dor de corno...

    ResponderEliminar
  14. FireHead,
    Acha este enredo minimamente convincente?
    Está a ver alguém a solicitar um suborno através de mails?
    Quase tão normal como vir para a rua anunciar com um megafone que se vai pedir um suborno, a quem, de quanto.

    Os americanos não precisavam de ter dor de corno.
    Até porque grandes empresas americanas estão a ganhar rios de dinheiro em Macau.
    E esse é o grande problema.
    Sands, MGM, Wynn, declararem publicamente que querem mudar as sedes para Macau e que, se tiverem que optar, largam tudo que possuem em Las Vegas e no Nevada.
    Quer maior bofetada?

    Não sei se alguma vez perceberemos exactamente este imbróglio.
    Quem se quer atingir com estas revelações.
    Para já, parece história da carochinha para adultos.

    ResponderEliminar
  15. Caro Pedro
    Não conheço o Deputado em causa. Aliás sou um profundo ignorante sobre as questões de Macau. Graças a si lá vou conhecendo qualquer coisinha.
    Mas penso que deve ter feito algo a alguem (que não gostou) e vai daí alguma impressa e alguns "jornalistas" prestam-se em alimentar campanhas com vista a denegrir o Deputado. Por cá sabemos dos autênticos linchamentos que a partir duma "notícia" de um qualquer jornal, têm acontecido. Esperemos que não seja o caso.
    Abraço e uma boa semana.
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  16. Rodrigo,
    O deputado Leonel Alves é um alvo demasiado óbvio, aquele que é directamente atingido.
    A par com a reputação de Macau.
    Ambos são danos colaterais.
    Ambos são a face visível do jogo de sombras.
    Por trás dessa cortina de fumo esconde-se o quê?
    Era isso que eu gostava de perceber.
    Aquele abraço e votos de uma boa semana

    ResponderEliminar
  17. Posso fazer um comentário que nada tem a ver com o assunto em questão?

    Porque "estória" ao invés de história? Já há tempos, a minha curiosidade levou-me a saber mais sobre esta palavra e o que encontrei foi que o "estória" tem sido uma anglicanismo (story) adicionado ao português por parte dos brasileiros, mas que não é muito indicado de acordo com a etimologia da nossa lingua e da formação da palavra.
    Até porque no Inglês temos Story e History, eles distinguem uma história contada da história disciplina (para mim é tudo o mesmo, eu contar uma história acerca do que me aconteceu na semana passada não ficará nos livros da história do país mas com certeza ficará no livro da história da minha vida)... Mas pronto, curiosidades minhas :D

    ResponderEliminar
  18. E aqui vai a resposta, Catarina:

    "No Brasil, estória tem uma conotação de narrativa criada, inventada, sugerida, uma obra de ficção. Já a história é uma narrativa que faz parte dos fatos ocorridos na vida dos povos, uma obra não ficcional."

    Direitinha daqui http://pt.wikipedia.org/wiki/Est%C3%B3ria

    Mais do anglicanismo, é um brasileirismo.
    E perfeitamente adaptada a este enredo, Catarina.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  19. Parece que aidna há pior argumentação que a tua, Pedrinho. Afinal que os americanos descontextualizaram a coisa.

    "Mr Alves told English-language newspaper Business Daily that the Wall Street Journal story “is a complete nonsense”.

    “The report is not accurate and [the information] is taken out of context,” Mr Alves said.

    He neither confirmed nor denied having sent e-mails quoted by the Wall Street Journal in its story, but claimed the report “has other motivations”."

    http://www.macaubusiness.com/news/leonel-alves-rebuffs-claims-over-beijing-bribery-story/16693/

    ResponderEliminar
  20. Anónimo,
    Que tem outras motivações, a gente já percebeu.
    Queremos é perceber quais.
    O WSJ lá se ia preocupar com Leonel Alves!
    Tem que ser muito para cima na cadeia hierárquica.
    Quem? Porquê?
    É isso que eu quero perceber.

    ResponderEliminar
  21. Tu até nem és, mas fazes-te de burro.

    ResponderEliminar