17 de maio de 2012

O erro bom e o erro mau



Vítor Gaspar, o contabilista--mor do regime, aquele que transmite a

ideia que nunca erra e que raramente tem dúvidas, disse, no seu tom
soletrado, que errou sobre a previsão do corte no subsídio de Natal e
de Férias dos portugueses. Passo a explicar.

Todo o Governo afirmou em peso que os cortes eram temporários e
vigoravam apenas em 2012 e 2013.

O nosso ministro veio dizer que se enganou, que teve um lapsus
linguae, que os cortes vão até ao ano de 2015, o ano, como disse,
"imediatamente consecutivo a 2014".

Tem piada, o ano de 2015, imediatamente consecutivo a 2014.

O País não é uma escola e os portugueses não são alunos de Vítor Gaspar.

O humor negro é dispensável quando se fala de problemas sociais, de
miséria, de pobreza escondida e de falta de dinheiro para o sustento
digno das famílias.

Soletra as palavras, fazendo lembrar alguém de outros tempos negros da
história de Portugal, como soletra a vida dos portugueses.

O erro de Gaspar é um erro mau que mexe com o orçamento das famílias,
deixando suspensas as suas vidas.

O erro bom é aquele que não tem consequências nem reflexos sociais,
que não é ofensivo da dignidade do ser humano.

O erro mau de Gaspar é indigno, amachuca e amarrota a dignidade dos
portugueses. Magoa falar assim da vida das pessoas. Todos nós podemos
errar. Mas errar com esta simplicidade e com esta justificação, com um
sorriso nos lábios, é que não.

O confisco por mais tempo, que deixa suspenso, de forma ilegal e
inconstitucional, direitos adquiridos, por causa de um lapso, não é
aceitável.

O erro é mau e intencional, tendo Gaspar agido com consciência da
ilicitude, logo, passível de responsabilidade. Não é um erro
desculpável, que exclua a culpa.

O erro é o reflexo da incompetência, sendo intencional, é mais grave,
porque é injusto e transforma a vida das pessoas num circo. Será que o
erro foi intencional porque não havia coragem política para
justificar, no momento, um corte tão prolongado?

Então, passamos a estar no território da mentira e não do erro. A ser
assim foi a forma que encontrou para preparar o elo mais fraco da
cadeia, os trabalhadores, para a brutalidade do corte, transformando-o
em definitivo.

Três anos de massacre social e de indigência é demais.

Dizia, assim, Frederico II, o Grande, Rei da Prússia: "A trapaça, a
má-fé e a duplicidade são, infelizmente, o carácter predominante da
maioria dos homens que governam as nações".


12 Abril 2012

Por:Rui Rangel, Juiz Desembargador

"O Estado das Coisas"

Correio da Manhã

4 comentários:

  1. E eu assino por baixo do Exmº Desembargador!

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Um tipo que tem uma cultura extraordinária, Ricardo.
    Por isso comentava no seu blogue que, esquecendo aquelas parvoíces sensacionalistas que deram fama ao Correio da Manhã, há ali gente a escrever muito bem.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. O RR também não é flor que se cheire, Pedro. Viu a sentença dele sobre o caso de corrupção do Sá Ferenandes? Um nojo!

    ResponderEliminar
  4. A família Rangel, Carlos.
    Mas lá que é culto e inteligente, lá isso é.

    Conheço a sentença de que fala, sim senhor.

    ResponderEliminar