25 de junho de 2011

R.I.P. (Peter Falk e Tomislav Ivic)

Este é um post muito triste.
Porque dá conta da morte de duas referências.

Uma no universo da televisão e a outra no universo do futebol.


 
Peter Falk (1927/2011)
Quando aqui destaquei as séries da minha vida, uma delas foi Columbo.
Quem viu a série, não esquece a gabardina cossada, o charuto ao canto da boca, o automóvel decrépito, a sempre presente e sempre ausente Mrs. Columbo. 
Como não esquece o fino sentido de humor do detective Columbo.
Magistralmente interpretado por Peter Falk.
Peter Falk foi Columbo e Columbo não existiria sem Peter Falk.
Peter Falk que faleceu agora aos 83 anos.
R.I.P.


Tomislav Ivic (1933/2011)

No mesmo dia, falaceu uma das referência do sucesso do Futebol Clube do Porto nos anos 80 - Tomislav Ivic.
O homem que sucedeu a Artur Jorge na ressaca da conquista da Taça dos Campeões e que levou o Porto à conquista da Taça Intercontinental, da Supertaça Europeia, do Campeonato Nacional e da Taça de Portugal.
O tal poker que André Villas-Boas igualou na época que agora findou.
Aos 77 anos, com 16 títulos conquistados, ao serviço de 20 clubes, Tomislav Ivic, que também passou pelo Benfica, faleceu ontem em Spli, sua terra natal.
R.I.P.

VERY FUNNY TROJAN COMMERCIAL

Luiz Carlos Prates acerca da atribuição Medalha Machado de Assis a Ronaldinho Gaúcho

Tabuletas de WC (16)

E agora os anos 70 (126)

24 de junho de 2011

Uma reflexão de Woody Allen


"Na minha próxima vida, quero viver de trás para frente.

Começar morto, para despachar logo o assunto.

Depois, acordar num lar de idosos e ir-me sentindo melhor a cada dia que passa.

Ser expulso porque estou demasiado saudável, ir receber a reforma e começar a trabalhar, recebendo logo um relógio de ouro no primeiro dia.

Trabalhar 40 anos, cada vez mais desenvolto e saudável, até ser jovem o suficiente para entrar na faculdade, embebedar-me diariamente e ser bastante promíscuo.

E depois, estar pronto para o secundário e para o primário, antes de me tornar criança e só brincar, sem responsabilidades. Aí torno-me um bébé inocente até nascer.

Por fim, passo nove meses flutuando num "spa" de luxo, com aquecimento central, serviço de quarto à disposição e com um espaço maior por cada dia que passa, e depois - "Voilà!" - desapareço num orgasmo."

Sabes do Sócrates? Parece que está ótimo



"Foi Portugal que se livrou de José Sócrates ou José Sócrates que se livrou de Portugal?

O leitor que tome nota: se isto fosse a Dinamarca já o caldo estava entornado.
 
Jovem que chegue a Helsingør para as exéquias do pai e dê com a mãe casada com o tio, desata a planear homicídios e a monologar.
 
Em Portugal, nada. E, no entanto, há tantas razões para inquietação aqui como lá.
 
O facto de se tratar de uma inquietação romântico-legislativa inquieta ainda mais. O que se passa é o seguinte: José Sócrates está demasiado contente. Não me conformo com esta alegria, esta cordialidade, este bom perder. Quero vê-lo espernear, recriminar os adversários, lançar um último insulto a Manuela Moura Guedes.
 
Que contentamento é este? Trata-se de uma boa disposição que ofende. Magoa até quem, como eu, nunca votou nele. Afinal foi Portugal que se livrou de José Sócrates ou José Sócrates que se livrou de Portugal?
 
Sócrates tem a desfaçatez de se comportar como aquelas namoradas que aceitam muito bem a notícia de que o namoro acabou. Não há lágrimas, não há ranho, não há nada. O fim da relação não é um drama, é um alívio. Ficam mais soltas, mais leves, mais vivas. E têm finalmente tempo para ir para França tirar aquele curso de Filosofia que sempre quiseram frequentar.
 
Amigo leitor, não era José Sócrates que estava a entravar o nosso desenvolvimento, éramos nós que estávamos a entravar o desenvolvimento de José Sócrates.
 
Assim como vamos sabendo das antigas namoradas através dos amigos, vamos sabendo de José Sócrates através do Expresso. E remoemos as informações com azedume. Que ideia é esta de ir estudar para Paris? E filosofia? Não faz sentido. Uma pessoa chamada Sócrates decidir estudar filosofia é como um tipo chamado Eusébio querer fazer carreira no futebol. É má ideia, proporciona comparações desagradáveis.
 
E não podemos deixar de sentir que Sócrates não vai para França para nos esquecer. Na verdade, Sócrates já nos esqueceu. E, ao contrário da generalidade dos emigrantes, Sócrates não parte em busca de melhores condições de vida. José Sócrates não vai emigrar para fugir de José Sócrates - até porque, em princípio, José Sócrates vai com José Sócrates.
 
Sócrates vai emigrar para fugir de nós. Alguém que lhe apreenda o passaporte, por favor.
 
Era o que faltava. Obriguem-no a aguentar as medidas da troika até ao fim. Só pode sair do País quando o memorando estiver cumprido."

Ricardo Araújo Pereira

Quarta feira, 22 de Jun de 2011

Tabuletas de WC (15)

E agora os anos 70 (125)

23 de junho de 2011

Porta do esquecimento

Os últimos anos da Administração portuguesa em Macau ficaram marcados pela inauguração de várias obras arquitectónicas e escultóricas.
Que, supostamente, perdurariam como marca da presença em Macau e constituiriam também uma forma de celebração do bom relacionamento entre Portugal e a China, passariam a ser símbolos da interpenetração e do convívio harmonioso de culturas.
De todas essa peças, porventura a mais emblemática será a obra de João Charters de Almeida, a Porta do Entendimento.
Estrategicamente colocada junto à água, o mar que os portugueses sulcaram para chegar a Macau e que uniu as duas civilizações, situada numa zona nobre da cidade, a Porta do Entendimento ficou para sempre associada a uma imagem muito próxima da de um nado-morto.
Nunca despertou grande entusiasmo, a zona nunca foi devidamente aproveitada, nunca houve ali vida, movimento.
Era um local tão sossegado, tão tranquilo, tão abandonado, que se tornava até um pouco assustador.
Escuro, recôndito, desértico, o local fazia os casais de namorados que ali se deslocavam em busca de alguma privacidade temer pela sua segurança.
O tempo foi correndo e os fenómenos do  esquecimento, e consequente degradação, do monumento foram-se acentuando.
Várias vezes comentei com amigos que, apesar de ser um leigo na matéria, as condições de segurança do conjunto se me afiguravam altamente questionáveis.
Mais a mais, tendo em conta qua parte da superfície, em placas de  mármore, havia tombado pouco depois da sua inauguração.
Facto que determinou o encerramento do local ao público.
Não encontrava assim qualquer justificação (plausível, que os complexos colonialistas não me interessam minimamente) para que, das duas uma - ou se recuperasse o monumento, ou se retirasse dali de uma vez por todas.
Faltava coragem política para assumir qualquer atitude, diziam-me frequentemente.
Sou hoje surpreendido com a notícia que José Chui Sai Peng apela ao Executivo para que, finalmente, se recupere o monumento.
Intenção que, aliás, o Executivo já pomposamente anunciara há dois anos.
Dezoito anos depois da sua inauguração ao público, terá finalmente chegado  o momento de  a "porta do esquecimento" dar verdadeiramente lugar à Porta do Entendimento?

Ainda sobre Educação...

Nuno Crato sobre Educação (avaliação, mérito, exigência)

Veremos se a prática corresponde ao discurso



Avião na Argentina atingido pelas cinzas do vulcão do Chile

Imagine se tivesse acontecido em pleno voo...











Tabuletas de WC (14)

E agora os anos 70 (124)

22 de junho de 2011

Um tempo novo, novos ciclos e a aposta na continuidade

Tomou ontem posse o novo governo em Portugal.
A equipa liderada por Pedro Passos Coelho representa uma mudança geracional e uma mudança de paradigma.
A geração tecnicamente mais bem preparada de que há memória em Portugal chega finalmente ao poder.
Um governo que, como já foi referido tantas vezes, apresenta pouco peso político e  aposta  sobretudo na competência técnica.
E na juventude, energia, dinâmica e "mundo" dos elementos que o compõem.
Sinais de um tempo novo.
Também sinal de um tempo novo, a eleição da primeira mulher para a presidência da Assembleia da República.
Depois da borrada Fernando Nobre, Pedro Passos Coelho surpreendeu novamente.
Mas agora pela positiva.
Assunção Esteves, 54 anos, torna-se  a primeira mulher a presidir à Assembleia da República, o segundo cargo mais importante do Estado português. 
A ex-juíza do Tribunal Constitucional e também ex-eurodeputada foi eleita à primeira volta com 186 votos entre 230 possíveis.
Ao contrário de Fernando Nobre, Assunção Esteves é um nome consensual, com peso político, com experiência política e parlamentar.
Esta sim, uma excelente escolha.
E que se insere perfeitamente na lógica de um tempo novo.
Da política para o futebol.
No Porto também se entra num tempo novo, num novo ciclo.
Mas, ao contrário do que acontece na política, no Porto assiste-se a uma clara aposta na continuidade.
Villas - Boas, depois das juras de amor eterno e do discurso da  cadeira de sonho, da qual não abdicava por dinheiro nenhum, sai abruptamente no que seria o primeiro dia de trabalhos da sua equipa técnica no Olival.
A caminho do Chelsea, a troco de 15 milhões de euros (a transferência mais cara de sempre de um treinador de futebol) e de um salário anual principesco.
Esta opção, pessoal e profissional, compreende-se.
A maneira como André Villas - Boas se comportou em todo o processo, nem por isso.
André Villas - Boas que foi sublinhando, até com algum enfado, que não abandonaria o Porto.
Acabou por fazê-lo num momento em que deixou pouca margem de manobra ao clube para reagir à sua saída intempestiva.
E é possível que alguns jogadores o sigam (fala-se nos nomes de Falcao e Moutinho).
Posso estar enganado, mas julgo que Villas-Boas cometeu um grande erro quando disse sim ao Chelsea.
Segunda escolha (o preferido sempre foi Guus Hiddink), André Villas-Boas vai treinar um clube muito complicado, vai enfrentar um conjunto brutal de egos (o presidente Abramovich e as vedetas em final de carreira Terry, Cole, Lampard, Anelka, Malouda, Drogba,...) e um péssimo ambiente de balneário.
O contrário do que encontrou no Porto.
E com Abramovich, que já gastou mais de 900 milhões de euros no Chelsea, a querer tudo.
A começar pela Liga dos Campeões.
Veremos se Villas-Boas não será rapidamente vítima de uma ambição desmedida.
O Porto, com Pinto da Costa avesso a revoluções, aposta na continuidade.
E promove Vítor Pereira a treinador principal.
Ele que era até aqui adjunto de Villas-Boas e que conhece bem a casa, o plantel, o sistema de jogo adoptado.
Um risco, sem dúvida, mas um risco calculado.
Num tempo novo, num novo ciclo, mas em clara continuidade do que agora termina.

Diário de um argentino no Canadá

Dedicatória especial para a Catarina Almeida em Toronto

Bud Light commercial

Tabuletas de WC (13)

E agora os anos 70 (123)

In memoriam Clarence Clemons (de 1980)

21 de junho de 2011

RIP (Clarence Clemons - 1949/2011)

Morreu Clarence Clemons, o saxofonista do grupo E Street Band que acompanha o cantor americano Bruce Springsteen.
O músico foi vítima de complicações no pós-operatório surgidas depois de um acidente vascular cerebral há uma semana, referem os media dos EUA.





Crónica de uma derrota anunciada

Pedro Passos Coelho, que hoje toma posse como primeiro-ministro, conheceu ontem a sua primeira derrota nesta legislatura.
No primeiro dia de trabalho do novo parlamento, a insistência teimosa e cega no nome de Fernando Nobre como candidato à presidência da Assembleia da República teve o desfecho esperado e previsível - a derrota em duas tentativas de eleição.
Pedro Passos Coelho e Fernando Nobre só se podem queixar de si próprios e dos erros primários, incompreensíveis, que ambos cometeram.
Errou Fernando Nobre que, no primeiro dia como deputado (as imagens do fundador da AMI, perdido nos Passos Perdidos, são de uma comicidade a raiar o ridículo) teve a ousadia de se apresentar como candidato único a presidir a um órgão que lhe é totalmente estranho.
E errou Passos Coelho ao insistir no nome de Fernando Nobre em obediência à palavra dada.
Isto depois de já ter errado ao convidar alguém para ocupar um lugar que depende de eleição, de arranjos e negociações político-partidárias complexas, que exige a apresentação de um nome com peso político (a independência partidária, neste caso, não tem interesse ou valor nenhum).
Errou novamente Fernando Nobre, dando continuidade a uma trajectória política também ela errática, quando não se afastou voluntariamente, assim desobrigando Passos Coelho do compromisso assumido, mesmo depois de verificar que tinha o apoio de apenas uma parte dos deputados do PSD.
E o resto do parlamento a rejeitá-lo publicamente.
Erraram ambos ao insistirem num passo demasiado arriscado acabando estatelados depois de enorme trambolhão.
E não podem apontar o dedo aos restantes partidos.
Cumprindo a tradição, nenhum apresentou um candidato que fizesse frente a Fernando Nobre.
Deixaram então aberto o caminho para o PSD apresentar o seu candidato na condição de partido mais votado e com maior representatividade parlamentar.
Mas não aquele candidato.
Sem peso político, sem qualquer experiência parlamentar, sem credibilidade, sem perfil.
O anátema de uma derrota no primeiro dia de actividade do novo parlamento vai perseguir  Passos Coelho.
É bom que esta sua manobra política desajeitada lhe tenha ensinado algo, que lhe tenha transmitido um valor que tão bem conhecemos no Oriente - o valor do consenso.
Tantas vezes, em matérias político-partidárias, absolutamente necessário.
Essencial, mesmo.

Reclamação com classe

Uma mulher lindíssima e atraente que está num bar, faz um gesto gracioso para o barman que imediatamente se aproxima. Quando ele chega, ela muito sedutora, começa a acariciar-lhe o cabelo, a barba, passando e repassando os dedos e as mãos vagarosamente pelo seu rosto e pergunta-lhe:

- Você é o proprietário?

- Não! - responde ele.

- Você podia chamá-lo? Preciso falar com ele! - diz ela afagando o cabelo ao barman.

- Acho que não poderei ajudá-la, pois ele não está cá hoje. - diz o barman já excitado com a situação. - Posso fazer algo por si? - pergunta ele.

- Claro que pode! Preciso que lhe dê um recado - diz ela, massajando-lhe a barba, enfiando-lhe dois dedos na boca e deixando que ele os chupe levemente.

- Diga-lhe que não há papel higiénico, nem sabonete para lavar as mãos, na casa de banho das senhoras!

As vantagens de viajar em grupo

Tabuletas de WC (12)

E agora os anos 70 (122)

20 de junho de 2011

Ontem lembrei-me do Marco Paulo


Ontem, quando via as imagens daqueles pândegos a atirar ovos à porta da TDM (já atiraram ovos em tudo quanto é sítio, a TDM até se devia estar a sentir discriminada) lembrei-me do Marco Paulo.
Confusos? Eu explico.
Há já alguns anos, era eu estudante em Coimbra, numa das tradicionais Noites do Parque, o convidado foi o Marco Paulo, então no auge do sucesso como cantor pimba.
Trazer o Marco Paulo para aquele cenário, no meio de estudantes boémios e bem avinhados, tinha tudo para dar asneira.
E deu.
O Marco Paulo entrou em palco, deu dois pulos e dois berros e, ainda antes de começar a cantar, já chovia todo o tipo de objectos (muitos legumes, algumas pedras, algumas garrafas e.....isso mesmo!, ovos!!!).
O Marco Paulo, perante tão feroz ataque, recuou até ao fundo do palco e tentou minimizar os danos.
Mas o arremesso de objectos mantinha-se.
Acentuava-se, até.
Tudo isto enquanto as fãs agrediam os "malandros" (sic) com os guarda-chuva que tinham na mão.
Finalmente, a meio da terceira canção, o Marco Paulo irrompeu num choro convulsivo, disse que nunca tinha sido tratado assim, e anunciou que se ia embora.
Ao meu lado, encavalitado aos ombros de um matulão, um puto berrou indignado - "vai embora mas é o @#$%^&!!! Então e o que é que eu faço a isto??!!"
Exibiu então um saco de plástico, enorme, que libertava um fedor terrível.
Eram dezenas de ovos podres que ele tinha ciosamente guardado e que trouxera para "presentear" o Marco Paulo.
Ontem, ao ver aquelas imagens, dei comigo a pensar - será que aquela rapaziada conhece o episódio do Marco Paulo nas Noites do Parque e foi ali beber inspiração para levar a cabo tão original forma de protesto?
It's possible.....

A letter from Eng. Zé


Dear FMI

"Dear FMI I am a very humild man and I have been the best First Minister Portugal ever had. I am very good. CDS is bad. PSD is very bad. Cavaco seems fine, but he doesn’t speak much. I am an engineer. Well, I missed a lot of classes, but I was a friend of the director of the university, so he gave a certificate anyway, and my dad never found out xD (so don’t tell him, please, he would kill me!!).

This country was very good until PSD chumbated my PEC (I had spent an entire evening doing it!!).
So, just after that we ran out of money because yes. I don’t like Pedro Steps Rabbit. He is always saying it’s his turn to be PM. I even rejected his friend request on facebook! Well, in fact that’s a
shame because he’s kinda cute lol. So I need you to lend me some money. I “juro” (I don’t know how to say in English, go see in google translator, please) that someone will pay you back.

Teixeira says we need 75 thousand million euros, but maybe you could lend me 90, so that I could construct that train that is very fast. I always wanted to have one when I was a kid, but my daddy never gave me. I have great plans for it: it will have a lot of falls and even a looping! Just like a giant roller coaster! It will be legen…wait for it…dary! (I heard this in How I Met You Mother lololol).

I also wanted to build another airport, but it’s ok if I could only have the train. In fact I think airplanes are a bit boring. Maybe Manuela Ferreira Milk like them, she is always talking about IVA, public-private parcerys and other boring stuff like that :P Go check her facebook, she has a foto in swimsuit. It’s very funny!

People love me here in Portugal. One day, when I was saving this country from the crisis, from the desempregation, from the aliens and from Manuela Moura Guedes, a lot of people went to Liberty Avenue screaming my name. It was a fan club called Generation “à rasca” (I have no idea how to translate this. It means that feeling you have when you want A LOT to go to the bathroom). They were all supporting me. I think it’s because I’m very pretty. My mummy always says that. I will send you a picture of me, so that you can see it too. It’s from my left side, as Luís says I’m prettier on that side. Can you send me a photo of you too? :)

Well, I think that’s all. I’ll do some jogging now to keep fit (you never know when you will have to ran from the cops, right?! xD). If you decide to help me, I hope you like Portugal. We have a lot of sun and very good bitches for you to swim. Thank you very much.

A xi-heart. Zé

PS: I tried to add you as friend on Facebook, but I think you didn’t see my request. Can you accept it? Please?

PS2: If you see Angela tell her that I’m not having much time to answer her mails, and that I didn’t understand what she meant with “Hurry up or Finland is going to fuck you up, you moron”.

PS3: that’s a video game console. AHAHAH gotcha!!!1!

PS4: Sorry for my bad english."

Have a laugh (última)


What is the definition of Mistress?

Someone between the Mister and Mattress.

Tabuletas de WC (11)

E agora os anos 70 (121)

19 de junho de 2011

Cortadora de salame

Mineirinho trabalha num frigorífico.

Ele já está lá há anos, e um dia ele confessa à esposa que tem uma compulsão terrível: uma vontade louca de enfiar o pinto na cortadora de salame. A mulher sugere que ele vá ver um psicólogo, esses homi que acunseia a gente. Mas ele não vai!

Um dia ele chega em casa cabisbaixo. Sua mulher percebe que há algo errado.

Pergunta o que foi. Ele responde:

Lembra que eu comentei cocê que tava com uma vontade danada de meter o pinto na cortadora de salame?

Oh, não! - diz a mulher - ocê num fêiz isso, fêiz?!

Sim, eu fiz!

Meu Deus, o que se assucedeu?

Fui despedido; pru ôi da rua - responde o marido.

Mas, e a cortadora de salame?

Coitada da moça, ela foi despedida tamém.

Sócio!, tou concentradíssimo!!!

Tabuletas de WC (10)

E agora os anos 70 (120)

Father's day e é a última desta série dedicada ao disco sound.

18 de junho de 2011

Primeiras impressões do novo elenco governativo


Pedro Passos Coelho e Paulo Portas conseguiram vencer o primeiro dos desafios importantes, e são tantos!!, que lhes são colocados.
Apresentar um elenco governativo, depois de terem alcançado e subscrito um acordo político, em muito reduzido espaço de tempo (48 horas).
Entre os dez ministérios que o PSD tinha em mente, e os doze que Paulo Portas defendia, o acordo ficou a meio caminho - onze ministérios.
Que são os seguintes (pastas e respectivos titulares):

Finanças - Vítor Gaspar

Economia - Álvaro Santos Pereira

Negócios Estrangeiros - Paulo Portas

Defesa - Aguiar-Branco

Justiça - Paula Teixeira da Cruz

Administração Interna - Miguel Macedo

Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares - Miguel Relvas

Segurança Social - Pedro Mota Soares

Educação e Ensino Superior - Nuno Crato

Agricultura, Ambiente e Território - Assunção Cristas

Saúde - Paulo Macedo

Olhando para as escolhas, é fácil detectar a preocupação de apresentar uma equipa jovem, com gente normalmente arredada do jogo de cadeiras (Paulo Portas será a excepção, mas acredito que possa ser um bom ministro dos Negócios Estrangeiros), com claro enfoque na competência técnica em detrimento da experiência política (as escolhas para a Economia, Finanças e Educação são bons exemplos), o cumprimento da promessa de integrar personalidades independentes no elenco governativo, alguma coragem de correr riscos com personalidades muito jovens e sem experiência governativa (Assunção Cristas é o melhor exemplo).
É uma equipa que, à primeira vista, pode imprimir algum dinamismo à governação do país, que procura responder aos desafios económicos (terríveis) que se vão fazer sentir nos próximos anos, que suscita algum entusiasmo, mais não seja pelo risco que assume.
Não sei se estamos perante uma equipa ganhadora.
Isso, só o tempo o dirá.
Mas julgo que estamos perante uma equipa que, pelo menos, merece o benefício da dúvida.
Desempoeirada, que não cheira a mofo, que pode transmitir alguma esperança e entusiasmo.
Tão necessários quando o país se encontra profundamente deprimido.
Na dupla vertante psicológica e financeira.
Pedro Passos Coelho e Paulo Portas responderam com rapidez e eficácia aos primeiros desafios que tinham de enfrentar.
Espero (desejo) que continuem a trilhar o mesmo caminho, e com a mesma energia, doravante.
Pessoalmente, repito, dou-lhes o benefício da dúvida.

Nose dance

Novo carro para mulheres!!!

Tabuletas de WC (9)

E agora os anos 70 (119)

17 de junho de 2011

Platini: «F.C. Porto devia jogar com portugueses»

Michel Platini foi um grande jogador de futebol.
E é actualmente o presidente da UEFA.
Se havia consenso à volta da sua genialidade enquanto jogador de futebol, estava capaz de afirmar que haverá também consenso quando se trata de avaliar a sua hipocrisia enquanto dirigente desportivo.
"A hipocrisia é o acto de fingir ter crenças, virtudes, ideias e sentimentos que a pessoa na verdade não possui. A palavra deriva do latim hypocrisis e do grego hupokrisis ambos significando a representação de um actor, actuação, fingimento (no sentido artístico). Essa palavra passou, mais tarde, a designar moralmente pessoas que representam, que fingem comportamentos. 
Um exemplo clássico de acto hipócrita é denunciar alguém por realizar alguma acção enquanto realiza a mesma acção."
Michel Platini, de nacionalidade francesa, que fez grande parte da sua carreira em Itália (Juventus), será o quê?
O mesmo Platini, que agora se mostra precupado com o elevado número de estrangeiros (sul-americanos) que estiveram presentes na final da Liga Europa, especialmente na equipa do Porto, e que viu o Inter de Milão ganhar a Liga dos Campeões, na época passada sem um único italiano na equipa titular, será o quê?
O mesmo Platini que olha para grandes equipas inglesas (Arsenal, Chelsea), não encontra um único inglês e nada diz, será o quê?
Que há um qualquer parti pris de Platini para com o FC Porto também já todos percebemos há muito tempo.
Mas, mesmo esta animosidade, não lhe devia toldar o bom-senso desta maneira.
Se quer ser coerente com a sua língua viperina, desafio Platini a submeter a aprovação da UEFA, e posteriormente da FIFA, legislação que obrigue todas as equipas a terem nos seus quadros um número mínimo de nacionais do país a que pertencem.
Mas, como não gosto de deixar as questões a meio caminho, aconselho-o a procurar perceber em que medida tal atitude se harmoniza com a legislação laboral em vigor na União Europeia.
Por acaso já ouviu falar no célebre Acórdão Bosman, senhor Michel Platini?
 

ORGASMO DE UMA MARIA-GASOLINA


EnFiat, enFiat!

Vem KA, meu Diplomata, dá um Cherokee no meu pescoço..

Vem Logus!

EnFiat o seu Picasso na minha Xantia!

Eu sei que você Dakota do recado.

Tira meu Blazer!

Vem que sou toda Parati.

Você não imagina o Quantum eu quero Dart, seu Besta!

Ai amor, só você me enlouquece e me oFusca.

Meu Gordini, desse jeito, eu te dou um Premio.

Não Palio!

Não Palio!

Me Kombi!

Me Kombi!

Ai amor, Kadett, que eu não estou te achando seu Picasso?! Ai achei.

Vou te dar o que eu Tempra você.

Vai Variant de posição. Sim, agora com outro Tipo.

Vai, enFiat seu Pointer Turbo no meu Courrier!

Ai Comodoro, Comodoro você!

Ta doendo mas vai Passat. Não pára ainda, me Kombi mais um pouco!

Vai, D-10, D-20, D-30! Bem forte, de frente, de Corsa, de Lada. Isso, amor,

Ranger os dentes, assim GM! GM! vai,vai!

Eu sou sua mulher, sua Verona, e você, meu Omega.

Me abraça, me beija e me Ford

Me chama de Perua!

Oggi tudo é Fiesta!

Vou Gol zar!

UM DIA CONSIGO VIVER SEM ESPOSA!!!!



O marido e a mulher não se falavam há uns três dias.

Entretanto, o homem se lembrou que no dia seguinte teria uma reunião muito cedo no escritório.Como precisava levantar cedo, resolveu pedir à mulher para acordá-lo. Mas para não dar o braço a torcer, escreveu num papel:

'Me acorde às 6 horas da manhã'.

No outro dia, ele levantou e quando olhou no relógio eram 9h30. O homem teve um ataque e pensou:

- Que meeeerdaaa! Mas que absurdo! Que falta de consideração, ela não me acordou...

Nisto, olhou para a mesa de cabeceira e reparou um papel no qual estava escrito:

- ...São seis horas, levanta!!!

Moral da História:

Não fique sem conversar com as mulheres, elas ganham sempre, estão certas sempre e são simplesmente geniais na vingança!!!!!!

Lembre-se que o casamento é a relação entre duas pessoas, onde uma pessoa está sempre certa e a outra, é o marido!

Tabuletas de WC (8)

E agora os anos 70 (118)

16 de junho de 2011

Carta aberta a Pedro Passos Coelho

Meu caro Dr. Pedro Passos Coelho,
Senhor primeiro-ministro indigitado,

Acompanhei com particular atenção, em directo até, a sua saída triunfal do Palácio de Belém após a reunião que manteve com Sua Excelência o Presidente da República.
Esperavam-no, ansiosos, umas dezenas de jornalistas, ligados aos mais variados órgãos de comunicação social.
Todos ávidos de novidades sumarentas, de nomes bombásticos de ministros ou ministeriáveis.
E o que aconteceu?
Com um ar grave, e um tom de voz dramático (a tão famosa voz de barítono, não é?), V. Exa. começou por informar os presentes que iria responder somente a três perguntas.
Três perguntas seriam suficientes?
Se fossem bem feitas....
Afinal, nem as perguntas nem as respostas foram brilhantes.
Enredado em formalismos, e em respeito institucional, V. Exa. remeteu para um comunicado da presidência da República (já são mais amiguinhos, já?), para uma assinatura formal do acordo político com o CDS/PP, para uma conferência de imprensa que se seguirá a essa cerimónia.
Assim sendo, sobrou uma novidade - V. Exa. mantém o nome de Fernando Nobre como candidato do PSD à presidência da Assembleia da República, o segundo lugar na hierarquia do Estado.
Apesar de, sabe-o V. Exa. muito bem, Fernando Nobre ser um factor de divisão.
Porque não tem experiência parlamentar (algo de semelhante a colocar um caloiro como regente da cadeira, entende?), porque é uma pessoa que demonstra um jogo de cintura que não cai bem a quem assiste, porque diz que não ambiciona cargos políticos e depois se agarra como uma lapa a uma promessa pré-eleitoral quando toda a gente percebe que é alguém indesejado.
V. Exa. argumenta que tem de se manter fiel à palavra dada.
Permita-me a ousadia de lhe dizer que há palavras que nunca deviam ser ditas, muito menos dadas.
E que, não reconhecer um erro, e insistir no mesmo, não é demonstração de carácter, é apenas teimosia.
V. Exa. não sabe, mas eu resido em Macau.
Estando longe, sinto todos os problemas que o meu País vive muito perto.
E preocupo-me com  este tipo de atitudes.
Gosto de pessoas que se mantêm fiéis à palavra dada.
Mas, simultaneamente, espero que as pessoas sejam capazes de reconhecer os erros que cometem.
E que os emendem por iniciativa própria e a tempo de evitarem mais problemas.
Porque, como V. Exa. bem sabe, problemas já temos de sobra.
Remeter o odioso de rejeitar o nome de Fernando Nobre para a Assembleia da República é uma atitude muito feia, baixa política e  politiquice, que não têm sentido nem cabimento numa época em que se enfrentam tantas e tão graves dificuldades.
Assim sendo, as suas declarações aos órgãos de comunicação social pareceram-me uma pura perda de tempo.
Julgo que, se era para dizer que insistia no nome de Fernando Nobre, não era preciso aquele espectáculo todo.
Felicito-o pela indigitação para o cargo de primeiro ministro, confirmada ainda o directo das televisões não tinha terminado nem V. Exa. tinha descido a escadaria do Palácio de Belém, mas não deixo de lhe manifestar a minha profunda preocupação com este traço de personalidade que lhe começo a detectar.
Permita-me que lhe recorde, com todo o respeito, que, para teimoso e arrogante, chegou-nos o seu antecessor.

Apresento-lhe os meus melhores cumprimentos e subscrevo-me com protestos da mais elevada consideração e respeito,
Pedro Coimbra

A loira e o limpa-neves


Numa manhã de inverno um casal ouvia a rádio enquanto tomava o pequeno-almoço.

O locutor a dada altura diz:

- "Hoje vamos ter neve. Prevê-se a formação de uma camada com 10 a 16 cm de espessura. Lembramos que devem arrumar os vossos carros no lado direito das ruas para permitir a intervenção dos limpa-neve."
 
A mulher, loira e com elevado sentido de dever, imediatamente saiu e arrumou o carro no lado direito da rua.
 
Na semana seguinte o casal tomava novamente o seu pequeno-almoço quando ouvem pela rádio outro aviso:

- "Hoje esperamos 20 a 25 cm de neve. Por favor arrumem os carros do lado esquerdo para permitir o trabalho dos limpa-neve."

A boa mulher lá foi outra vez a correr para arrumar o carro do lado esquerdo da rua.
 
Passados mais uns dias, tudo se repete. Da rádio lá chega o aviso:

- "Hoje esperamos que se formem camadas de 20 cm de neve. Por favor arrumem..."

A energia eléctrica subitamente faltou. O rádio calou-se...

A mulher ficou transtornadíssima por não saber de que lado devia desta vez arrumar o carro.

- " E agora o que faço? Logo faltou a luz nesta altura... Agora não sei de que lado da rua devo arrumar o carro!" Dizia ela aflita.

Então o marido, com muito amor e compreensão, diz-lhe tentando sossegá-la:

- "Olha querida, porque é que, desta vez, não deixas ficar o carro quietinho na garagem?"

Mulher ciumenta é f...!!!




BOTA CIÚME NISSO!

A mãe pede ao filho para ligar ao pai, no celular, avisando a hora do jantar.

Mãe - E aí? O que ele disse? Já vem?

Filho - Já liguei três vezes, mãe, mas quem sempre atende é uma mulher.

Mãe - Deixa comigo! Aquele cachorro vai ver, quando chegar em casa!

Mal o pai aparece na frente da casa, a mãe parte prá cima de e lhe aplica a maior surra, com tudo o que encontra à disposição: cabo de vassoura, frigideira, tampa de panela...

Os vizinhos se aproximam para ver o que está acontecendo, mas encontram a mulher irada!

Mãe - Safado, cafajeste!... Venha cá, filho! Diga aqui prá todo mundo o que foi que aquela piranha falou prá você no telefone!

Filho - Ela disse: o número para o qual você ligou encontra-se desligado ou fora de área...

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Tabuletas de WC (7)

E agora os anos 70 (117)

15 de junho de 2011

Hoje e sempre, uma questão de critério

Três associações de taxistas vão reivindicar um aumento das tarifas junto da Direcção dos Serviços de Assuntos de Tráfego (DSAT).
A bandeirada passaria para as 15 patacas e passariam a ser pagas 1,50 patacas por cada 200 metros percorridos.
Argumentos para justicar estes aumentos?
O aumento dos preços do gasóleo, da reparação e manutenção dos veículos, a inflacção generalizada, uma tragédia.
Quero publicamente expressar o meu forte apoio a tais reivindicações.
Justíssimas, sem margem para dúvidas.
Mas, e aproveitando a inicitiva das associações, propunha ao Executivo que fizesse coincidir estes aumentos com outros.
Estou a pensar no aumento da higiene nos táxis, no aumento da formação dos taxistas, no aumento da qualidade dos veículos, no aumento dos táxis disponíveis ao cidadão comum, em suma, no aumento da qualidade dos serviços prestados.
Para não me acusarem de só pensar em aumentos, estava capaz de aventar também algumas hipóteses de  redução - redução do lixo acumulado no interior dos táxis e nas respectivas bagageiras, redução do tempo de vida útil dos veículos (como Singapura é sempre exemplo para tudo, que tal os cinco anos da cidade/estado?), redução do tempo de espera por um táxi, dos motoristas que não fazem ideia nenhuma dos locais para onde nos queremos deslocar.
Uma boa oportunidade para, com algum critério, por certo bastante científico, disciplinar a actividade, não concordam?
De critérios também se fala acerca do recrutamento de médicos para o internato geral.
Depois da hecatombe do resultado dos exames de acesso (2 aprovados em 316 candidatos, recorde-se), do barulho que fizeram alguns deputados, os Serviços de Saúde anunciam agora novas provas para breve.
Espero bem que o critério a seguir não seja um relaxamento das exigências como forma de conseguir uma mais alta taxa de aprovação.
Populismo e demagogia à custa da saúde e do bem estar das pessoas é algo que não quero acreditar que passe pela cabeça da oficialidade em Macau.
Por favor, e dando seguimento ao título do post, sejam criteriosos. 

O Cristo Redentor dá um abraço

Bons Amigos!

Bons amigos são como as bochechas do cú: sempre unidas não há merda nenhuma que os separe!

Bons amigos são como as cuecas: estão sempre connosco!

Bons amigos são como os preservativos: estão sempre a proteger-nos!

Bons amigos são como os soutiens: estão lá para nos apoiar.

Bons amigos são como o viagra: Poêm-nos em cima quando estamos em baixo......

 

Tabuletas de WC (6)

You though you knew everything (última)

Women blink nearly twice as much as men.


Now you know more than you did before!