30 de abril de 2011

Oração das Mulheres Resolvidas (Júlio Machado Vaz)


(Dedicatória especial para todas as minhas amigas)

Que o mar vire cerveja e os homens aperitivo, que a fonte nunca seque, e que a nossa sogra nunca se chame Esperança, porque Esperança é a última que morre...

Que os nossos homens nunca morram viúvos, e que os nossos filhos tenham pais ricos e mães gostosas!

Que Deus abençoe os homens bonitos.... e os feios se tiver tempo...

Deus...

Eu vos peço sabedoria para entender um homem, amor para perdoá-lo e paciência pelos seus actos, porque Deus, se eu pedir força, eu bato-lhe até matá-lo.

Um brinde...

Aos que temos, aos que tivemos e aos que teremos.

Um brinde também aos namorados que nos conquistaram, aos trouxas que nos perderam, e aos sortudos que ainda vão conhecer-nos!

Que sempre sobre, que nunca nos falte, e que a gente dê conta de todos!

Amén.

A B C D E F G H I J K-a joke


A wife asked her husband to describe her .....

He said, 'You're A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K'. She said, 'What does that mean?'



He said Adorable, Beautiful, Cute, Delightful, Elegant, Fantastic, Gorgeous, Hot'.

She said, 'Oh that's so lovely. What about I, J, K ?'
 
He said-- I'm Just Kidding

Pensam em tudo ! (3)

E agora os anos 70 (76)

29 de abril de 2011

Sonho de uma final portuguesa cada vez mais real

Em ano de crise económica, financeira, política, o futebol português prepara-se para conseguir uma final de uma competição europeia (Liga Europa) totalmente portuguesa.
 E o primeiro lugar do ranking da UEFA na presente época.
Notável!!

Para que essa final cem por cento portuguesa fosse possível, o Porto teria que afastar o Villareal.
Tarefa que, depois da goleada de ontem (5-1), parece estar cumprida.
Se estamos perante uma época notável para o futebol português, o Porto está a cumprir uma época simplesmente deslumbrante.
Pinto da Costa, no final do jogo de ontem, dizia que esta equipa do Porto é melhor que as de Mourinho.
E que está ao nível da equipa que ganhou a Taça dos Campeões em Viena em 1987.
Não sei até se não será melhor.
Mérito de uma série de génios.
A começar pelo treinador.
André Villas-Boas é fenomenal!
Não pode ser coincidência que, já por uma série de vezes, com pequenas alterações, vire por completo os jogos.
Precisamente o que aconteceu novamente ontem.
Ao fazer subir a defesa, ainda um pouco mais do que já vinha jogando, o treinador do Porto sufocou o Villareal.
Depois, surgiram os outros génios.
A começar por Falcao.
4 golos (só Van Basten tinha feito algo semelhante), o melhor marcador da Liga Europa (15 golos!!), o melhor marcador de sempre da história do Porto nas competições europeias, um jogador extraordinário, com um comportamento irreprensível, um matador terrível.
Mas há ainda Hulk, Moutinho, Guarín, Varela, James, Rolando, Otamendi.
E estão ausentes Fucile e Belluschi.
São muitos.
E muito bons.
O Porto estará, quase de certeza, na final de Dublin.
Porque é muito melhor que o Villareal, porque está com uma confiança impressionante (a perder por 1-0 ao intervalo marcou cinco golos na segunda parte!!!), porque tem grandes jogadores, um grande treinador, porque marca golos em catadupa, e sofre poucos, porque tem muita classe.
O Porto estará em Dublin.
Com o Benfica, ou com o Braga?



Essa dúvida só ficará esclarecida na próxima semana.
O resultado do jogo de ontem no Estádio da Luz (2-1), deixa tudo em aberto.
E só o jogo na Pedreira permitirá decidir qual o outro finalista.
Um jogo vivo, dominado pelo Benfica, com o Braga a apostar no tal contra-golpe de que falava Jorge Jesus na véspera.
O 0-0 no final da primeira parte reflectia falta de eficácia.
E não qualquer falta de vontade de vencer.
Na segunda parte, surgiram os golos.
Aos 50 minutos, Jardel marcou.
Mas a alegria do Benfica durou pouco (três minutos).
Vandinho empatou e o jogo continuava dividido.
Até que Cardozo resolveu fazer as pazes com os adeptos.
E marcar um golaço na transformação perfeita de um livre directo.
O Benfica parte em vantagem para o jogo da segunda mão.
Mas com uma vantagem tangencial e perigosa.
Porque o Braga marcou na Luz.
Tudo em aberto para o jogo na Pedreira.

A Madeira e o João Jardim


Uma senhora foi para a maternidade para ter dois bebés: 1 rapaz e 1 rapariga, gémeos.

Em homenagem à sua terra ela chamou a menina de Madeira e o menino de João Jardim.

O Dr. Alberto João Jardim, ao saber da notícia, foi visitar a mãe e bebés.

Ao chegar, a Sra. estava a dar peito ao menino e o Sr. Jardim tenta agradecer pela linda ideia dos nomes.

A Sra. interrompe-o e diz baixinho:

- “Chiiiiuuuu!!! Se a Madeira acorda o João Jardim não mama mais...”

Não me parece nada caro.....

Pensam em tudo! (2)

E agora os anos 70 (75)

28 de abril de 2011

A Cicciolina espanhola

Lembram-se de Ilona Stalner, a actriz porno que ficou célebre com o nome Cicciolina?
E que acabou por ser eleita para o parlamento em Itália?
Muitos anos depois, Espanha está a conhecer um fenómeno semelhante.
A versão espanhola da Cicciolina dá pelo nome de María LaPíedra, também ela actriz porno, agora candidata a presidente da câmara municipal em Les Borges Blanques, Lérida.
Aos 22 anos, María LaPíedra fundou o Partido do Desejo e apresenta algumas propostas originais.
Se for eleita, haverá prostitutas grátis e a possibilidade de masturbação em público entre a meia noite as seis da manhã.
Uma versão espanhola e moderna do FUCK (Fornication Under Consent of the King).
Façam agora as necessárias adpatações...
Pessoalmente, não considero esta ideia uma proposta.
É antes uma forma encapotada de decretar o recolher obrigatório entre a meia noite e as seis da manhã.
Livra!!!
 Na campanha eleitoral, a candidata também inova.
 Aparecendo nua e deixando-se apalpar por quem queira (mais um, menos um, também não faz grande diferença, não é?).
A fama mundial de Maria LaPíedra começou em Outubro, quando publicou um vídeo em que revelava ter tido um caso com o guarda-redes da seleção italiana e da Juventus, Gianluigi Buffon.
A quem chamou “porco e bastardo” por trair a esposa, Alena Seredova.
A atriz porno também é conhecida em Espanha por ostentar uma coleção de namorados famosos e já apareceu ligada a David Villa, Fábregas, Piqué, Puyol e Iniesta em estágios da selecção espanhola.
Prevê-se uma carreira política fulgurante para quem é detentora de tantos atributos.
Que, para mais, mostra e deixa verificar.
 

Barcelona confirma a final mais desejada

E o outro finalista da Champions é o Barcelona.
Depois da vitória em Madrid (2-0), os blaugrana têm o apuramento praticamente assegurado.
Num jogo de grande intensidade competitiva e nervosa, foram os pormenores, os erros e o talento de um predestinado que desiquilibraram.
E desiquilibraram o jogo, o resultado e a eliminatória.
Os pormenores e os erros.
Mourinho repetiu a receita do jogo da final da Taça do Rei.
Equipa pensada para não deixar o Barcelona ter a bola, trocá-la como tão bem sabe e gosta.
E Ronaldo e Di María soltos na frente para explorar a velocidade, imprevisibilidade e técnica de ambos.
Ou seja, uma equipa praticamente partida em dois - oito jogadores de campo, mais o guarda-redes, atrás da linha da bola; Ronaldo e Di María a tentarem surpreender.
Com esta táctica, o Real dá a iniciativa ao Barça, reconhece a superioridade dos catalães, e, no máximo, vai empatando uns jogos.
Ronaldo não gosta e já deu conta desse facto.
Para além deste erro, e destes pormenores, há outros muito importantes.
Os jogadores do Barcelona são mais experientes, mais sabidos, mais inteligentes.
Têm mais classe.
Pepe foi expulso com algum rigor?
Talvez.
Mas, num jogo destes, com esta intensidade, a roçar o dramatismo, nunca se arrisca um lance daqueles.
Um erro estúpido que a equipa pagou caro.
Por fim, o talento.
Mourinho, tal como o fizera Carlos Queiroz, está a amarrar o talento de Ronaldo.
Deixar o madeirense preso entre os centrais adversários é uma palermice.
Ronaldo é um jogador de grandes espaços.
Que precisa de espaço para ganhar velocidade, fintar, rematar.
Já Messi, um predestinado, um fenómeno, finta onze adversários dentro de uma cabine telefónica.
A frase é de Roy Hogdson e referia-se a Futre.
Com a difernça que Roy Hogdson dizia que Futre não encontrava a saída.
Messi vai fintando em direcção à saída.
Foi assim que fez o segundo golo, matou o jogo e a eliminatória.
Mourinho disparou em todas as direcções.
A UEFA, e as casas de publicidade e apostas, queriam esta final?
Acredito.
O Barcelona é mais simpático que o Real?
Acredito.
Algo favorecido pela arbitragem?
Também acredito.
Mas, acima de tudo é uma equipa.
E o Real não (Mourinho tem que a construir).
E é uma equipa com classe, com experiência, com grandes jogadores.
E um fenómeno chamado Messi.
São muitas diferenças para um Real há muito tempo sem identidade.
E isso é que é fundamental.
Mourinho sabe-o bem.
Só não o admite em público.
Vão estar na final de Wembley as duas melhores equipas.
Nada mais.

Teorema de Pitágoras


Pitágoras estava com um problema que não conseguia resolver.
Não parava mais em casa.
A mulher dele, Nusa, aproveitava-se da situação e transava com os 4 cadetes do quartel ao lado.

Um dia, Pitágoras, cansado, voltou mais cedo para casa, pegou Nusa no flagra e matou os 5 que faziam uma orgia.

Na hora de enterrar os safados, em consideração à esposa, dividiu o cemitério ao meio, em 2 quadrados iguais.
Num deles enterrou a mulher.

Depois dividiu em 4 partes iguais o outro lado e enterrou cada cadete num desses quadrados menores.

Subiu na montanha ao lado do cemitério para meditar e, olhando de cima para o cemitério, achou a solução do seu problema.

Era óbvio: o quadrado da puta Nusa é igual à soma dos quadrados dos cadetes.

Pensam em tudo! (1)

E agora os anos 70 (74)

27 de abril de 2011

Os Bragança não foram convidados para o casamento real. E não dão prenda!

Duarte Pio, e a sua prole, não foram convidados para assistir à cerimónia de casamento de William e Kate Midlleton.
Retaliando de imediato, o pretendente ao trono em Portugal afirmou publicamente que não enviará um presente ao casal.
"Se até o 'casal' Elton John foi convidado, eu não sou porquê?", terá perguntado um indignado Duarte Pio.
Quando foi informada acerca do incidente, Isabel II terá ficado, de acordo com as fontes insondáveis do Devaneios,  "extremamente abalada".
"Os Bragança não vêm?  E não dão prenda? Que vergonha!!"
A Rainha terá até mesmo sugerido que o casamento real fosse todo repensado.
"Que tal uma cerimónia simples, intíma, seguida de um buffet e um passeio no London Eye?"
Carlos e Camila terão dissuadido Isabel II destes intentos fazendo-lhe ver que seria terrível tomar tão drástica medida depois de já estarem distribuídos todos os convites.
Isabel II, com um ar evidentemente preocupado, terá então retorquido - "Só me faltava agora saber que também não vinha o Trio Odemira cantar aquela canção da igreja toda iluminada! Olhem que, na minha idade, já é difícil suportar emoções assim tão fortes!!"
Carlos e Camila tranquilizaram-na - "Os Bragança não vêm. Já o Trio Odemira, é claro que vem!!"

Está encontrado um dos finalistas da Champions

O Manchester United terá selado ontem o apuramento para final da Champions League ao triunfar em Gelsenkirchen por 2-0.
O Shalke 04, que vinha a fazer uma carreira fantástica na Champions, foi vulgarizado no Arena AufSchalke por um Manchester em noite de grande inspiração.
E com muito mais, e melhores, soluções.
E também muito mais calo.
Quer da equipa, quer do técnico.
O 2-0 é até um resultado lisonjeiro para o Shalke.
Valeu aos alemães uma exibição fenomenal do guarda-redes Manuel Neuer.
O mesmo que deverá defender as redes do Manchester na próxima temporada e que Alex Ferguson fez questão de ir cumprimentar publicamente no final do jogo.
O jovem guarda-redes alemão defendeu o impossível!
E levou Chicharito ao desespero.
Só não conseguiu parar os remates de Giggs (quase aos 38 anos tornou-se no jogador mais velho a marcar na Champions) e Rooney (67 e 70 minutos, respectivamente).
Com este resultado, só uma hecatombe de proporções épicas afastaria o Manchester da final da Champions.
Onde irá encontrar um dos gigantes espanhóis.
Num duelo que o futebol, e as casas de apostas, tanto desejaram.

Casa Pia: Conheça a carta que Bibi escreveu ao tribunal


Carlos Silvino, o Bibi, é um personagem que me mete nojo.
Um pedófilo, um escroque, um mentiroso inveterado.
Que resolveu agora negar tudo o que anteriormente afirmara e fazer novamente o papel de vítima.
Como se os meninos da Casa Pia tivessem uma imaginação prodigiosa, e suja, que lhes permita inventar toda aquela trama sórdida, com pormenores escabrosos, só para darem cabo da vida aos arguidos.
E as vidas dos meninos da Casa Pia?
O que é que acontece a essas?
Este episódio dá-me vómitos!!
E esta criatura nojenta, pelo menos uma coisa todos sabemos que é - um mentiroso compulsivo.
Já não pode haver dúvidas que mentiu.
Antes, como agora afirma.
Ou agora.

Principal arguido do processo Casa Pia insiste que o caso é uma montagem da PJ e do Ministério Público e pede para ser ouvido com urgência pela juíza Guilhermina Freitas.

A carta, de uma página, manuscrita, foi entregue no Tribunal da Relação de Lisboa no dia 8 de Abril deste ano. No documento, Carlos Silvino, principal arguido do processo Casa Pia pede para ser ouvido "com urgência" pela juíza Guilhermina Freitas "a fim de lhe transmitir de viva voz toda a verdade sobre os factos do processo que não passa de uma monstruosa mentira montada pela PJ, MP, (...) bem como pelas falsas vítimas".

Durante o julgamento, Carlos Silvino confessou praticamente todos os crimes de que era acusado e foi condenado a 18 anos de prisão efetiva. Não está preso porque a sentença ainda não transitou em julgado e está a ser apreciada no Tribunal da Relação de Lisboa.

Meses depois, dispensou o advogado José Maria Martins e deu uma entrevista à revista Focus a desmentir o envolvimento dos outros arguidos em abusos sexuais e a garantir que ele próprio era inocente e heterossexual.

Nesta carta, que o Expresso teve acesso e publica em exclusivo, Silvino diz que foi vítima "de manipulação" por parte dos inspetores Dias André e Rosa Mota e que só confessou porque estava "sob forte medicação". "Acabei por me incriminar a mim por forma inconsciente, bem como a pessoas que também não cometeram qualquer crime".

Um juiz do tribunal da Relação que pede para não ser identificado diz que a juíza só ouvirá Silvino "se entender que tem de fazer renovação de prova, o que não é nada habitual".

(Rui Gustavo in Expresso aqui)

A estória do cravo vermelho


Quanto à origem do cravo vermelho como um dos principais símbolos do 25 de Abril, pode afirmar-se que tem duas explicações:


Em primeiro lugar, convém ter presente que o cravo vermelho era, à data, talvez a flor mais barata e popular.

Ora acontece que, nesse dia, 25 de Abril de 1974, havia um restaurante na Rua Braancamp, em Lisboa, que celebrava o seu primeiro aniversário.

O proprietário comprara cravos vermelhos - a tal flor que juntava o barato e o popular - para oferecer nesse dia às clientes.

Como houve a acção militar, o restaurante não funcionou e o proprietário disse aos seus trabalhadores que podiam levar os cravos com eles. Uma das trabalhadoras, chamada Celeste, decidiu levar um molho de cravos para casa.

Ao começar a descer a Avenida da Liberdade, deparou com a população a oferecer bebidas, sandes, tabaco, aos soldados que ali estavam ou passavam. Tomou, então, a iniciativa de lhes oferecer os cravos, dizendo "desculpem, mas não tenho mais nada para vos oferecer".

Os soldados recebiam os cravos e, não sabendo onde os colocar, decidiram enfiá-los nos canos das espingardas.

Outra explicação, certamente coincidente:

No Rossio, havia várias vendedeiras de flores que, quando os miliatres aí passaram, vindos do Terreiro do Paço, os vitoriaram e lhes ofereceram as flores que estavam a vender, nomeadamente as tais mais baratas e populares, os já referidos cravos vermelhos.

O resto foi igual: os militares colocaram-nos na "boca" das espingardas.

E assim nasceu um dos principais, senão mesmo o principal, símbolo da Revolução dos Cravos, o cravo vermelho.

E agora os anos 70 (73)

26 de abril de 2011

A seguradora não vai acreditar

MOBISTAR

São 10 minutos, mas garanto que vale a pena ver.
Hilariante, criativo e muito bem pensado.
Explicação antes de assistir ao vídeo:
A Mobistar é uma companhia telefónica na Bélgica cujo serviço de call center é deplorável, deixando os clientes por/até 30 minutos em espera para fazer reclamações ou cancelar assinaturas.
Para dar o troco na mesma moeda, quatro jovens colocaram-se dentro dum contentor colocado na porta do estacionamento da Mobistar (bloqueando a entrada), no ultimo dia 22 de Dezembro de 2010.
O contentor estava identificado com o nome da "empresa de aluguer" do dito e seu número de telefone...
Dentro do contentor , o "call-center" da companhia de aluguer.
Os rapazes enlouquecem o segurança da Mobistar.
E somente após diversas ligações e mais de 3 horas, o container é removido com uma longa fila de automóveis na rua para entrar no estacionamento.
O video foi postado no Youtube, onde faz grande sucesso!
A Mobistar reagiu "bem".
Declarou que compreendeu o recado e comprometeu-se a reforçar seu efectivo do call center...



Carta aberta ao FMI - CRISE EM PORTUGAL (acabou o recreio!!!!)

 
Acabou o recreio!


Todos os ''governantes'' de Portugal falam em cortes das despesas, mas não dizem quais, e aumentos de impostos, a pagar pela malta.

Não ouvi foi nenhum politico falar em:

. Reduzir as mordomias (gabinetes, secretárias, adjuntos, assessores, suportes burocráticos respectivos, carros, motoristas, etc.) dos três Presidentes da República retirados.

. Redução dos deputados da Assembleia da República e seus gabinetes, profissionalizando-os como nos países a sério. Reforma das mordomias na Assembleia da República, como almoços opíparos, com digestivos e outras libações, tudo à custa do pagode.

. Acabar com os milhares de Institutos Públicos e Fundações Públicas que não servem para nada e têm funcionários e administradores com 2º ou 3º emprego.

. Acabar com as empresas Municipais, com Administradores a auferir milhares de euros mês e que não servem para nada, antes acumulam funções nos municípios, para aumentarem o bolo salarial respectivo. Redução drástica das Câmaras Municipais e Assembleias Municipais, numa reconversão mais feroz que a da Reforma do Mouzinho da Silveira, em 1821, etc.

. Redução drástica das Juntas de Freguesia.

. Acabar com o pagamento de 200, 00 € por presença de cada pessoa nas reuniões das Câmaras e 75, 00 € nas Juntas de Freguesia.

. Acabar com o Financiamento aos Partidos. Que devem viver da quotização dos seus associados e da imaginação que aos outros exigem para conseguirem verbas para as suas actividades.

. Acabar com a distribuição de carros a Presidentes, Assessores, etc, das Câmaras, Juntas, etc., que se deslocam em digressões particulares pelo País.

. Acabar com os motoristas particulares 20 h/dia, com o agravamento das horas extraordinárias... para servir suas excelências, filhos e família. Acabar com a renovação sistemática de frotas de carros do Estado e entes públicos menores, mas maiores nos dispêndios públicos.

. Colocar chapas de identificação em todos os carros do Estado. Não permitir de modo algum que carros oficiais façam serviço particular tal como levar e trazer familiares e filhos às escolas, ir ao mercado a compras, etc. Acabar com o vaivém semanal dos deputados dos Açores e Madeira e respectivas estadias em Lisboa em hotéis de cinco estrelas pagos pelos contribuintes que vivem em tugúrios inabitáveis.

. Acabar com os "subsídios" de habitação e deslocação a deputados eleitos por circulos fora de Lisboa... que sempre residiram na Capital e nunca tiveram qualquer habitação nos circulos eleitorais a que concorreram!

. Acabar com as administrações numerosíssimas de hospitais públicos que servem para garantir tachos aos apaniguados do poder - há hospitais de província com mais administradores que pessoal administrativo.

. Acabar com os milhares de pareceres jurídicos e outros, caríssimos, pagos sempre aos mesmos escritórios que têm canais de comunicação fáceis com o Governo no âmbito de um tráfico de influências que há que criminalizar, julgar e condenar.

. Acabar com as várias reformas, acumuladas, por pessoa, de entre o pessoal do Estado e de entidades privadas, que passaram fugazmente pelo Estado.

. Pedir o pagamento dos milhões dos empréstimos dos contribuintes ao BPN e BPP, com os juros devidos!

. Perseguir os milhões desviados por Rendeiros, Loureiros e quejandos, onde quer que estejam e recuperar essas quantias para os cofres do Estado.

. Acabar com as reformas nas forças armadas aos 50 anos e com 30 anos de descontos enquanto o cidadão português desconta durante 40 e mais anos para a Seg. Social.

. E por aí fora... Recuperaremos depressa a nossa posição, sobretudo a credibilidade tão abalada pela corrupção que grassa e pelo desvario dos dinheiros do Estado .

. Quem pode explicar, por exemplo, porque é que o Presidente da Assembleia da República tem, ao seu dispor, dois automóveis de serviço? Deve ser um para a "pasta" e outro para a "lancheira"!...

E agora os anos 70 (72)

25 de abril de 2011

As minhas memórias do 25 de Abril


Aviso prévio - esta não é uma entrada politicamente correcta.
Não vou enaltecer o que aconteceu no dia 25 de Abril de 1974 e nos tempos conturbados que se seguiram.
Outros haverá muito mais capacitados que eu para o fazerem.
Vou apenas partilhar as minhas memórias.
E a memória de um garoto de nove anos é muito viva.
Feita ainda de imagens e cor.
À época, era aluno de uma escola primária que ficava situada perto da casa onde morava.
Era meu professor o saudoso Bentes, o célebre "rato atómico" da Académica.
Em boa verdade, os ecos da Revolução não se fizeram sentir grandemente lá na escola.
Como não se fariam sentir a partir do momento que completei os dez anos e passei a estudar em regime de semi-internato num colégio dirigido por Jesuítas também perto de casa. 
Situado numa antiga quinta senhorial, doada por um Visconde à Companhia de Jesus, o colégio fechou-se à agitação revolucionária que se vivia cá fora.
Dos 126 alunos (se não me falha a memória era este o número exacto), 120 eram internos e 6 semi-internos.
Passávamos o dia enclausurados entre os muros da quinta e o movimento cá fora passava-nos algo ao lado.
Como tal, a primeira imagem vívida que tenho do 25 de Abril, é uma imagem muito má.
O meu pai desempenhava o cargo, relevantíssimo!!, de presidente da Casa do Povo da freguesia onde vivíamos.
Nos dias que se seguiram à Revolução, estávamos calmamente a jantar em casa.
Era nosso convidado o igualmente saudoso padre Filipe Faria.
A dado momento, bateram à porta.
Fui eu abrir.
E deparei-me com uma série de militares, armados, acompanhados por alguns dirigentes políticos de partidos de extrema esquerda (só mais tarde tive consciência desse facto, porque, naquele momento, eram apenas pessoas que tinha conhecido toda a vida, meus vizinhos).
Queriam saber onde estava o meu pai.
Meu pai que, ao ouvir a algazarra, logo apareceu.
Teria que os acompanhar.
E lá foi o meu pai, rodeado por toda aquela gente, sem que nos dessem quaisquer explicações para onde o levavam.
Ou porquê.
Meteram-no num jipe e partiram a alta velocidade.
O padre Faria, vendo a minha mãe em pânico, desceu as escadas para ir perguntar exactamente o que é que se passava.
Ao chegar ao fundo das escadas, foi logo ali barbaramente agredido por essas pessoas que comigo tinham convivido toda a vida.
O desespero da minha mãe fê-la entrar em choque.
E perder uma criança que podia hoje ser meu irmão ou irmã.
Algumas horas mais tarde, o meu pai apareceu.
Toda aquela selvajaria tinha apenas uma justificação - o meu pai tinha que devolver a chave da Casa do Povo.
Algo que, ironicamente, ele até nunca tinha querido.
Seria mais bonito escrever hoje acerca do fim da ditadura, de uma nova era de liberdade que se iniciou no dia 25 de Abril de 1974.
Da qual, em boa verdade, só tive verdadeira consciência dois anos depois.
Quando os portões do colégio foram "abertos" e o regime de internato foi abolido.
Mas não gosto de branquear ou reescrever a História.
E passar uma esponja nos excessos que foram cometidos.
Hoje é um dia de festejos, sem dúvida.
Mas é também um dia em que é necessário relembrar estes acontecimentos que marcaram, para muita gente, o 25 de Abril de 1974 e os tempos que se seguiram.
Não foram só cravos.
Também houve muitos espinhos.
Que ficaram vividamente cravados na memória de alguns.
Neste caso, na memória de um garoto quase a completar dez anos.

Carta de Marisa Moura à administração da Carris


Exmos. Senhores José Manuel Silva Rodrigues, Fernando Jorge Moreira da Silva, Maria Isabel Antunes, Joaquim José Zeferino e Maria Adelina Rocha,

Chamo-me Marisa Sofia Duarte Moura e sou a contribuinte nº 215860101 da República Portuguesa. Venho por este meio colocar-vos, a cada um de vós, algumas perguntas:

Sabia que o aumento do seu vencimento e dos seus colegas, num total extra de 32 mil euros, fixado pela comissão de vencimentos numa altura em que a empresa apresenta prejuízos de 42,3 milhões e um buraco de 776,6 milhões de euros, representa um crime previsto na lei sob a figura de gestão danosa?

Terá o senhor(a) a mínima noção de que há mais de 600 mil pessoas desempregadas em Portugal neste momento por causa de gente como o senhor(a) que, sem qualquer moral, se pavoneia num dos automóveis de luxo que neste momento custam 4.500 euros por mês a todos os contribuintes?

A dívida do país está acima dos 150 mil milhões de euros, o que significa que eu estou endividada em 15 mil euros. Paguei em impostos no ano passado 10 mil euros. Não chega nem para a minha parte da dívida colectiva. E com pessoas como o senhor(a) a esbanjar desta forma o meu dinheiro, os impostos dos contribuintes não vão chegar nunca para pagar o que realmente devem pagar: o bem-estar colectivo.

A sua cara está publicada no site da empresa. Todos os portugueses sabem, portanto, quem é. Hoje, quando parar num semáforo vermelho, conseguirá enfrentar o olhar do condutor ao lado estando o senhor(a) ao volante de uma viatura paga com dinheiro que a sua empresa não tem e que é paga às custas da fome de milhares de pessoas, velhos, adultos, jovens e crianças?

Para o senhor auferir do seu vencimento, agora aumentado ilegalmente, e demais regalias, há 900 mil pessoas a trabalhar (inclusive em empresas estatais como a "sua") sem sequer terem direito a Baixa se ficarem doentes, porque trabalham a recibos verdes. Alguma vez pensou nisso? Acha genuinamente que o trabalho que desempenha tem de ser tamanhamente bem remunerado ao ponto de se sobrepor às mais elementares necessidades de outros seres humanos?

Despeço-me sem grande consideração, mas com alguma pena da sua pessoa e com esperança que consiga reactivar alguns genes da espécie humana que terá com certeza perdido algures no decorrer da sua vida.

Marisa Moura

Notícia que originou este meu mail em


Filhos de prostitutas


Esta história é VERÍDICA: a versão portuguesa, apenas lhe deu mais encanto.

 O sujeito chama-se Marc Faber, e é norte-americano.

- Ele é Analista de Investimentos e empresário.

 Em Junho de 2008, quando o Governo Bush estudava lançar um projeto de ajuda à economia americana, Marc Faber encerrava seu boletim mensal com um comentário bem-humorado:

 "O Governo Federal está pensando conceder a cada um de nós uma bolsa de U$ 600,00."

Se gastarmos esse dinheiro no supermercado Walt-Mart, esse dinheiro vai para a China.

Se gastarmos com gasolina, vai para os árabes.

Se comprarmos um computador, vai para a Índia.

Se comprarmos frutas e vegetais, irá para o México, Honduras e Guatemala.

 Se comprarmos um bom carro, irá para a Alemanha ou Japão.

Se comprarmos bugigangas, irá para Taiwan....

 E nenhum centavo desse dinheiro ajudará a economia americana.

 O único meio de manter esse dinheiro na América é gastá-lo com prostitutas e cerveja, considerando que são os únicos bens ainda produzidos por aqui.

Estou fazendo a minha parte..."

- Resposta de um português igualmente bem humorado:

"Realmente a situação dos americanos parece cada vez pior.

Lamento informar que, depois desse seu e-mail, a Budweiser foi comprada pela PORTUGUESA SAGRES... portanto, restaram apenas as prostitutas.

 Porém, se elas (as prostitutas) repassarem parte da verba para seus filhos, o dinheiro virá todo para LISBOA (Parlamento), onde existe a maior concentração de filhos da puta do mundo."

É preciso que se saiba

É preciso que se saiba
 
"... os portugueses comuns (os que têm trabalho) ganham cerca de metade (55%) do que se ganha na zona euro,
 
mas os nossos gestores recebem, em média:



- mais 32% do que os americanos;
 
- mais 22,5% do que os franceses;
 
- mais 55 % do que os finlandeses;
 
- mais 56,5% do que os suecos"
(dados de Manuel António Pina, Jornal de Notícias, 24/10/09)

E são estas "inteligências" (?????) que chamam a nossa atenção afirmando:
 
"os portugueses gastam acima das suas possibilidades".

E agora os anos 70 (71)

24 de abril de 2011

Benfica conquista Taça da Liga. Real esmaga Valência no Mestalla. Barcelona vence e mantém distâncias. Manchester mais perto do título.

O Benfica conquistou a terceira Taça da Liga.
Num jogo que deixou a nu as insuficiências da equipa encarnada nesta altura da época, o Benfica bateu o Paços de Ferreira por 2-1.
Jara e Javi Garcia marcaram para o Benfica.
Luisão marcou na própria baliza.
O Paços ainda viu Moreira (grande exibição) defender um penálti e tudo tentou para chegar ao empate.
Valeu então a maior experiência e qualidade da equipa do Benfica para conseguir segurar o resultado, vencer o jogo e o troféu.
Mas a exibição, muita cinzenta, não esconde as inibições que a equipa do Benfica neste momento apresenta.
E algumas insuficiências claras, a nível físico e mental.
Para além de, acentue-se, ausência de alternativas credíveis.
Uma vitória e um troféu que não deixaram os adeptos traquilos.
Apenas, e só, contentes.



O Real Madrid, a equipa defensiva, do treinador que só sabe conquistar troféus, goleou o Valência no Mestalla por 6-3.
Mourinho modificou a equipa quase por completo em relação ao jogo da final da Taça do Rei.
Oportunidade para Kaká, Benzema e Higuain darem um festival de futebol ofensivo, esmagarem a equipa da casa e se assumirem como verdadeiras alternativas a todo o momento.



O problema do Real é que o Barcelona não escorrega.
Os catalães bateram o Osasuna por 2-0 (golos de Villa e Messi) e aproximaram-se ainda mais da conquista do título.

Quem também está cada vez mais próximo do título é o Manchester United.
Um golo de Chicharito Hernandez, a seis minutos do final do jogo, permitiu  ao Manchester derrotar o Everton e conservar os seis pontos de vantagem (pelo menos) quando só faltam quatro jogos para o final da Liga.

Também ontem, o Chelsea bateu o West Ham por 3-0 (Torres marcou um golo!!!) e o Liverpool esmagou o Birmingham por 5-0.

NOVO CONCEITO DE MOBILIDADE PARA PROFISSIONAIS DO SÉC. XXI


Esta não é uma casa como outra qualquer.
 
Ela surge como uma alternativa para quem busca uma solução simples para um grande problema: a habitação.
 
O Bufalino, como é chamado, é um projecto de um pequeno meio de transporte que, apesar da aparência, possui espaço suficiente para comportar um escritório, um quarto, cozinha (com direito a armários e lava-louça), um tanque de água e um pequeno frigorífico.







Apesar de ter um tamanho bastante reduzido, o Bufalino aproveita todos os espaços existentes.

Para terem uma ideia, até a porta traseira se transforma num secador de roupas.

Um único senão, o padrão Burberrys era dispensável.

















Comment réveiller les consciences sur l' écologie ! BRAVO FLASHMOB

E agora os anos 70 (70)

23 de abril de 2011

Reacções às alterações ortográficas

O cê e o pê (Manuel Halpern) e o ph e o y (Teixeira de Pascoaes e Fernando Pessoa)

Quando eu escrevo a palavra ação, por magia ou pirraça, o computador retira automaticamente o c na pretensão de me ensinar a nova grafia. De forma que, aos poucos, sem precisar de ajuda, eu próprio vou tirando as consoantes que, ao que parece, estavam a mais na língua portuguesa.

Custa-me despedir-me daquelas letras que tanto fizeram por mim. São muitos anos de convívio. Lembro-me da forma discreta e silenciosa como todos estes cês e pês me acompanharam em tantos textos e livros desde a infância. Na primária, por vezes gritavam ofendidos na caneta vermelha da professora: não te esqueças de mim! Com o tempo, fui-me habituando à sua existência muda, como quem diz, sei que não falas, mas ainda bem que estás aí.

E agora as palavras já nem parecem as mesmas. O que é ser proativo? Custa-me admitir que, de um dia para o outro, passei a trabalhar numa redação, que há espetadores nos espetáculos e alguns também nos frangos, que os atores atuam e que, ao segundo ato, eu ato os meus sapatos.

Depois há os intrusos, sobretudo o erre, que tornou algumas palavras arrevesadas e arranhadas, como neorrealismo ou autorretrato.

Caíram hífenes e entraram erres que andavam errantes. É uma união de facto, para não errar tenho a obrigação de os acolher como se fossem família. Em 'há de' há um divórcio, não vale a pena criar uma linha entre eles, porque já não se entendem. Em veem e leem, por uma questão de fraternidade, os és passaram a ser gémeos, nenhum usa chapéu. E os meses perderam importância e dignidade, não havia motivo para terem privilégios, janeiro, fevereiro, março são tão importantes como peixe, flor, avião.

Não sei se estou a ser suscetível, mas sem p algumas palavras são uma autêntica deceção, mas por outro lado é ótimo que já não tenham.

As palavras transformam-nos. Como um menino que muda de escola, sei que vou ter saudades, mas é tempo de crescer e encontrar novos amigos. Sei que tudo vai correr bem, espero que a ausência do cê não me faça perder a direção, nem me fracione, nem quero tropeçar em algum objeto abjeto. Porque, verdade seja dita, hoje em dia, não se pode ser atual nem atuante com um cê a atrapalhar.

Manuel Halpern (Visão)



"Na palavra lagryma, (...) a forma d[o] y é lacrymal; estabelece (...) a harmonia entre a sua expressão gráfica ou plástica e a sua expressão psicológica; [substituir]-lhe o y pelo i é ofender as regras da Estética.

Na palavra abysmo, é a forma do y que lhe dá profundidade, escuridão, mistério... Escrevê-la com i latino é fechar a boca do abysmo, é transformá-lo numa superfície banal."

Teixeira de Pascoaes



"Não tenho sentimento nenhum politico ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriotico. Minha patria é a lingua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal , desde que não me incommodassem pessoalmente. Mas odeio, com odio verdadeiro, com o unico odio que sinto, não quem escreve mal portuguez, não quem não sabe syntaxe, não quem escreve em orthographia simplificada, mas a pagina mal escripta, como pessoa própria, a syntaxe errada, como gente em que se bata, a orthographia sem ípsilon, como escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse.“

Fernando Pessoa

André Villas Boas Il Nuovo Mourinho

E eles insistem...

E agora os anos 70 (69)

21 de abril de 2011

Pronto, eu admito que não percebo nada de Economia


Uma breve introdução para aqueles que não acompanham a política em Macau.
O Executivo de Macau, de quando em vez, dá umas "massas" ao pessoal.
Uma "compensação pecuniária"(sic) para fazer face à inflacção crescente.
Como é que isto é feito?
Ditribuindo cheques pela população.
Este ano já tínhamos sido contemplados com essa "atenção" (4000 patacas, que equivalem, mais ou menos, a 400 euros para cada residente permanente).
Logo no início do ano para o pessoal ficar contente.
Como se já se vinha comentando, vem aí uma segunda leva de cheques.
Anúncio formal feito pelo Chefe do Executivo ontem na Assembleia Legislativa.
Muito convenientemente, nas vésperas do 1º de Maio para acalmar os descontentes.
Desta vez são 3000 patacas.
A serem entregues no segundo semestre.
Lá para Junho para a malta ir de férias mais abonada.
Desde que a medida foi introduzida pelo anterior Chefe do Executivo que confesso não entender a racionalidade económica e social da mesma.
Sempre pensei que, ao distribuir dinheiro cegamente pela população, o governo está a fomentar o aumento da inflacção.
Exactamente o oposto do que diz pretender.
Mais dinheiro, mais consumo, mais inflacção.
Não é isso que nos ensinam?
Se, no plano económico, estamos conversados, o que dizer da vertente social da medida?
Dar 3000 patacas a quem está a passar por genuínas dificuldades face ao aumento descontrolado da inflacção não é seguramente o mesmo que dar 3000 patacas a um bilionário.
Se tudo isto já me fazia muita confusão, mais confuso fiquei depois de ouvir ontem o Chefe do Executivo aconselhar as pessoas a não gastarem o dinheiro que lhes é dado no que "não for necessário" (sic).
Em Macau, felizmente, a esmagadora maioria da população não tem problemas para satisfazer as suas necessidades mais básicas.
Como tal, dar dinheiro às pessoas e aconselhá-las a não o gastarem em bens que não sejam necessários, faz tanto sentido como ouvir o responsável pela pasta de Economia e Finanças dizer que a inflação se vê agravada pelo facto de as pessoas jantarem fora muitas vezes (mais uma vez, para quem não conhece a realidade política de Macau, eu juro que ele disse isto!).
Ordem à mesa.
Não pensem que eu sou franciscano.
Não sou.
Eu gosto de dinheiro.
Mas, se é para não o gastar, que tal o Executivo, em vez de distribuir a "massa", depositá-la em fundos de poupança?
Não tinha o mesmo efeito político, não é?
Isso eu percebo.
De Economia é que parece que não percebo nada.